Texto: João 2, 1-11

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Imagine que há uma grande festa! Um casamento. O casal é crente e os convidados também. No meio da festa aparece também o pastor da igreja, e ele trouxe um presente para o casal: 800 garrafas de vinho! Um vinho excelente!  800 garrafas de vinho! Não para guardar, mas para beber! Imagine que você fosse um dos convidados! O que diria, observando isso? 800 garrafas de vinho! O pastor é bom, ou ele é doido? O que o povo ia dizer? O elogiaria, ou falaria mal dele?

Com certeza os crentes das igrejas pentecostais criticariam tal pastor, dizendo que ele não é um verdadeiro pastor, mas um bebedor de vinho. Eles reagiriam da mesma maneira que os fariseus que criticaram Jesus, dizendo (Luc. 8,34): “aí um glutão e bebedor de vinho!”. 

Esse exemplo já mostra um dos problemas que a história do milagre no casamento em Caná causou. Existem pessoas que gostam dessa história e acham-na muito bonita; mas outras têm dificuldades com ela, e não entendem porque Jesus fez esse milagre.

Em primeiro lugar devemos nos perguntar por que João nos contou essa história. Qual foi o objetivo dele? João falou sobre isso no final do seu livro: Capítulo 20, 31-32. Lá ele disse: “Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muito outros sinais que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é O CRISTO, O FILHO DE DEUS, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.”

Os discípulos seguiram Jesus e começaram a conhecê-lo. Como homem, mas também como FILHO DE DEUS. Eles ouviram as palavras de Jesus e observaram os milagres e ficavam impressionados. E o primeiro milagre aconteceu durante um casamento. João se lembra bem. Foi em...Para ler mais, clique aqui.