Leitura: 2 Reis 16, 1-9

Texto: Isaías 7, 1-16

 

 

DEUS É FIEL: DEUS ESTÁ CONOSCO (IMMANUEL)

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Quem começa a ler o livro de Isaías, vai estranhar. Ele vai pensar que entrou num mundo diferente. Isaías vivia numa outra época do que a nossa. Lemos sobre países que não encontramos mais no mapa. Ouvimos falar sobre reis e governadores com nomes estranhos, que nunca tínhamos encontrado antes. Lemos sobre intrigas políticas e sobre conspirações que nós não entendemos.

O profeta Isaías conhece muito bem a cena política do seu tempo. Ele conhece os planos dos vizinhos; sabe os acordos secretos que foram feitos, tem conhecimento das conspirações contra Israel. Em poucas palavras: ele poderia ter sido o cabeça do serviço secreto dos reis de Judá. Mas ele não é. Isaías está a serviço de Deus. E, para Deus, não existem segredos. Deus conhece os corações de todos os homens, e também de todos os reis. Nada acontece fora do conhecimento de Deus. Deus sabe de tudo, e com este conhecimento completo Ele governa o mundo. A história deste mundo é controlada por Deus. As profecias de Isaías mostram isso.

Isaías fala sobre os fatos que aconteceram naquela época. Ele é como o jornal: mostra os fatos importantes que aconteceram. Ele não se limita aos fatos locais; aos fatos que aconteceram em Judá. Isaías liga a história de Judá com o movimento internacional. Ele mostra como a história do mundo está envolvida na história de Israel. A história do mundo depende da história de Deus. A história do mundo é controlada pelo aliado celestial de Israel. O Deus de Davi. O Deus que fez uma aliança com Davi e que lhe prometeu um descendente que ia governar o mundo todo. Este Deus está trabalhando para realizar os seus planos. Isaías está vendo isso. Sobre isso ele fala neste livro, e também neste capítulo 7. Deus mostra que ele é fiel. Ele dá um sinal. Uma criança com um nome especial: “Immanuel”, Deus está conosco.

O IMMANUEL PROVA QUE DEUS É FIEL.

Irmãos, vamos viajar. Vamos nos transportar para a Jerusalém de Isaías. No ano 735 AD, Acaz se tornou rei de Judá. Ele ainda era um jovem de 20 anos. O pai dele, Jotão, morreu, e ele era o príncipe herdeiro. Não foi fácil governar o país, pois ele não podia fazer o que ele queria fazer.Ele devia governar o país conforme a vontade de Deus. Ele foi ungido, como Davi, para servir a Deus. Para governar o país conforme a lei que Deus tinha dado ao Israel. Ele devia conhecer estas leis e aplicá-las.

Esse foi um aspecto do seu governo. O outro aspecto foi que o rei devia defender o país dos inimigos. Ele devia conhecer a cena política, as relações com o exterior, e escolher os seus... Para ler mais, clique aqui.

Baixar sermão

 

Texto: Isaías 6, 1-7
 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Podemos dizer que a profecia de Isaías 6 é uma das mais impressionantes da Bíblia. O que Isaías experimentou é muito especial. Ele VÊ o Senhor. Em toda a sua majestade. Em toda a sua santidade celestial. Isso não acontece todos os dias. Só poucas pessoas experimentaram isso. Profetas. E nem todos os profetas; somente alguns.

Moisés, por exemplo. Ele descobriu a presença de Deus na sarça, que não se consumia. E Elias. Ele tinha um encontro com Deus (1 Reis 19) e sentiu uma brisa suave, e sabia que o Senhor se aproximara. Ezequiel tivera uma outra experiência: Ele viu o Senhor se aproximando numa tempestade. Homens especiais; eleitos por Deus.

Isaías é como eles. Ele também recebeu uma revelação especial do Senhor. Ele recebeu uma visão enquanto estava no templo. E o que ele viu, foi impressionante. Nós podemos sentir isso. Isaías se sentiu pequeno. Ele disse: “Vi o Senhor sentado sobre um trono alto e elevado. A cauda da sua veste enchia o santuário”. Então, irmãos! O templo era uma construção enorme, onde qualquer pessoa se sentia pequena. E neste templo enorme Isaías viu A CAUDA, A PARTE MAIS BAIXA DA VESTE REAL DO SENHOR. Esta construção enorme está cheia da majestade de Deus, e o que Isaías viu foi só uma parte pequena disso.

Isaías se sente uma formiguinha, vendo a cauda da veste real do Senhor. Pequeno, ele é muito pequeno perante Deus. E este sentimento se torna mais forte por causa dos serafins. Estes seres celestiais enormes estão em redor do trono e anunciam como um coral de homens com voz baixa “A SANTIDADE DE DEUS: SANTO, SANTO, SANTO É O SENHOR”.

O Senhor é perfeitamente santo. Nele não... Para ler mais, clique aqui.

 

 

T: Vários Textos

L: Domingo 19 CdH

Queridos irmãos/irmãs,

 

O Domingo 19 do Catecismo fala sobre Cristo Jesus, que está sentado à direita de Deus. Isso quer dizer que Cristo é Rei. Ele recebeu toda a autoridade nos céus e na terra. Ele governa. O apóstolo João viu Jesus como rei. Veja Ap. 1, 9-16;

“Eu, João, irmão vosso e companheiro na tribulação, no reino e na perseverança, em Jesus, achei-me na ilha chamada Patmos, por causa da Palavra de Deus e do testemunho de Jesus. Achei-me em espírito, no dia do Senhor; e ouvi, por detrás de mim, grande voz, como de trombeta, dizendo: O que vês escreve em livro e manda às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pergamo, Tiatira, Sardes, Filadelfia e Laodicéia.

Voltei-me para ver quem falava comigo e, voltado, vi sete candeeiros de ouro e, no meio dos candeeiros, um semelhante a filho do homem, com vestes talares e cingido, à altura do peito, com uma cinta de ouro. A sua cabeça e cabelos eram brancos como alva lã, como neve; os olhos, como chama de fogo; os pés, semelhantes ao bronze polido, como que refinado numa fornalha; a voz, como voz de muitas águas. Tinha na mão direita sete estrelas, e da boca saía lhe uma afiada espada de dois gumes. O seu rosto brilhava como o sol na sua força”

Ele viu o Cristo glorificado no meio dos candeeiros, que são as sete igrejas mencionadas. Cristo é Rei das Igrejas; Ele é o cabeça das igrejas, que segura as sete estrelas que são os sete anjos ou ministros das igrejas. Ele mandou sete cartas para as igrejas para dizer o que elas devem fazer. Cristo mandou sete ordens para continuar a lutar contra as tentações e pecados que se encontram nas ...Para ler mais, clique aqui.

T: Apoc. 12, 13-18

L: Salmo 124

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

As revelações feitas em Apocalipse 12 nos mostram que a história desse mundo tem dois lados. O lado visível e o lado invisível. Ontem – pelas retrospectivas do ano – nós podíamos ver as coisas visíveis que aconteceram durante este ano de [2009]. Mas existe também um lado invisível: um lado espiritual. Jesus Cristo conhece este lado e nos informa sobre este lado aqui em Apocalipse 12. Ele nos revelou o lado invisível no dia do Natal: a guerra nos corredores de Natal; Ele nos revelou o lado invisível depois da sua Ascensão: a batalha que houve no céu. E no final ele nos revela o que vai acontecer no final dos tempos: A luta espiritual entre Satanás e a igreja de Cristo.

Agora, irmãos, lendo Apocalipse 12, nós podemos notar um detalhe interessante a respeito do final dos tempos. Existem três expressões diferentes a respeito desse tempo neste capítulo. A primeira indicação está em vs. 6, que diz que Deus sustentará a mulher no deserto durante mil duzentos e sessenta dias; a segunda indicação está em vs. 12, que diz que o Dragão chegou na terra sabendo que pouco tempo lhe resta; e a terceira indicação está em vs. 14, que repete vs. 6 e diz que Deus sustentará a mulher no deserto durante um tempo, tempos e metade de um tempo. Três expressões diferentes para indicar o final dos tempos. Três expressões diferentes, porque são feitas de três pontos de vista diferentes. Do ponto de vista da Igreja, do ponto de vista do Diabo e do ponto de vista de Deus.

JESUS TRAZ CONSOLO PARA A SUA IGREJA NO FINAL DO ANO de [2014] OBSERVANDO O FINAL DOS TEMPOS.

  • O Final dos tempos será longo e difícil para a igreja;
  • O Final dos tempos será curto para o Dragão;
  • O Final dos tempos será cortado por Deus;

 

Vamos observar a primeira expressão. Ela está ligada com a situação da mulher, que fugiu para o deserto e que será sustentada por Deus durante mil duzentos e sessenta dias. O texto fala sobre o tempo depois da ascensão de Cristo. Este tempo é contado em várias maneiras. Como já disse: vs. 14 diz um tempo, tempos e metade de um tempo; vs. 12 diz: pouco tempo; e vs. 6 diz: mil duzentos e sessenta dias; Todas às vezes se fala sobre o mesmo tempo. Mas de uma maneira diferenciada, porque o tempo é uma coisa relativa. Uma hora é nada para quem tem muitas coisas a fazer. A hora voa; mas uma hora é longa para quem está doente na cama e não tem nada a fazer. O tempo é relativo. Também nesse caso. Vamos ver!

Jesus nos revela que a mulher deve fugir para o deserto. O deserto serve como esconderijo!  O tempo no deserto deve ser considerado como o tempo num esconderijo. E o tempo num esconderijo é longo. Este tempo se conta em dias.

Li uma vez um livro sobre uma menina judaica, que estava num esconderijo durante a segunda guerra mundial. Anne Frank foi o nome dela. Ela estava num esconderijo por mais ou menos três anos. Foi muito tempo! Ela contava os dias. Todo dia foi longo porque nada aconteceu. E as poucas coisas que aconteceram, ela anotou no diário dela.

O deserto em Apocalipse 12 tem também um outro aspecto. A mulher fugiu para o deserto e isso nos lembra o livro de Êxodo. Israel também fugiu  para o deserto. O deserto era um esconderijo para Israel, mas também uma passagem para o país prometida. O tempo no deserto foi um tempo provisório. Um tempo que ia acabar. O tempo no deserto é um tempo cheio de esperança. E o tempo de esperança é também tempo longo. As crianças sabem disso. Muitas crianças estavam ansiosas para o final desse ano letivo: elas estavam esperando pelas férias! Parece que o tempo na escola anda muito lento. Algumas crianças já estavam contando os dias desde junho. Elas contaram os dias. [Tenho uma filha que completará ano no dia 21 de Janeiro e cada dia ela vem perto de me e me pergunta: quantos dias ainda? Ela está contando os dias, porque está cheia de esperança.]

            A igreja também! Já na época do apóstolo Pedro as pessoas estavam reclamando e perguntando (2 Pe. 3,4): Onde está a promessa da sua vinda? Pedro vivia nos primeiros anos depois da ascensão de Cristo; nós vivemos quase dois mil anos depois da ascensão de Cristo. Já não contamos mais os dias, talvez nem mais sejamos interessados na vinda de Cristo. Pensamos ...Para ler mais, clique aqui.

T: Apocalipse 12, 7-12

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

 

O mundo é igual a um palco. Nós observamos o que está acontecendo no palco, mas há também coisas que acontecem atrás das cortinas. Essas coisas são encobertas. Nós podemos observar por meio do jornal e da televisão o que está acontecendo neste mundo, mas não podemos ver as coisas invisíveis; o mundo tem um lado visível e um lado invisível. O lado espiritual.

Os evangelhos nos mostraram o lado visível de Natal. O Apocalipse nos mostrou o lado invisível de Natal. A guerra nos corredores de Natal. A batalha espiritual entre o Dragão e o Filho de Deus. Esta guerra começou no Paraíso e continua até hoje.

Houve uma batalha na terra no dia de Natal: o Dragão tentou matar o Filho, mas o Filho foi arrebatado para o céu; quer dizer que  o campo de batalha se mudou para o céu; porque depois disso o apóstolo João recebeu uma outra visão, que lhe mostrou a batalha que houve no céu: Miguel e os seus anjos pelejaram contra o Dragão e os seus anjos.

 

OS PRIMEIROS ATOS DO GOVERNO DE JESUS CRISTO, QUE TEM O CETRO DE FERRO.

ESSES ATOS TÊM CONSEQUÊNCIAS PARA:
  • MIGUEL E OS SEUS ANJOS;
  • O DRAGÃO E OS SEUS ANJOS;
  • A IGREJA DE CRISTO

 

Miguel e os seus anjos

Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão.

De repente aparece outra cena e outra personagem: Miguel e os seus anjos.

Este Miguel não é um anjo desconhecido.  Já ouvimos falar sobre ele anteriormente.

O profeta Daniel falou sobre este Miguel (em Daniel 10 e 12). Este Miguel é um anjo importante. Ele é chamado (Daniel 12,1) o Grande príncipe, o defensor dos filhos de Israel.  A tarefa dele é proteger os filhos de Israel contra os ataques dos anjos do inimigo.  Em Daniel 10 um homem do céu  apareceu a Daniel e lhe diz que se atrasou porque o príncipe do mal, que dominava o reino da Pérsia, lhe resistiu por vinte e um dias, mas Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar, e assim o homem teve a vitória sobre os reis da Pérsia.

Lendo isso, podemos concluir que Miguel é um anjo especial. Um líder. Um príncipe. Um dos primeiros. E a tarefa dele é proteger os filhos de Israel. Isso explica porque ele aparece aqui.  Porque um dos filhos de Israel, Jesus Cristo, está ameaçado. Ele foi arrebatado ao trono, mas parece que o Dragão e os seus anjos foram atrás dele...Para ler mais, clique aqui.

T: Apocalipse 12,5 + Salmo 2

L: Mateus 2, 1-12

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

 

Hoje é o dia em que quase todo mundo comemora o dia de Natal.

Todo mundo canta: “Noite de paz, noite de amor. Tudo dorme em derredor”.

O dia de Natal é um dia de paz, um dia de alegria e de felicidade.

Os irmãos se reúnem em paz na igreja; as famílias se reúnem em paz em casa.

Até nos lugares onde há guerra, os partidos param de lutar por um dia para comemorar o dia de Natal. Noite de paz, noite de amor. Tudo está em paz.

Havia paz na manjedoura, porque o menino Jesus estava dormindo;

Havia paz ao redor da manjedoura, porque José e Maria estavam felizes;

Havia paz nos campos de Belém, onde os pastores estavam vigiando;

Havia paz no céu, onde os anjos estavam cantando;

Tudo estava em paz.

Tudo? Realmente tudo? Não! Não tudo! Ap. 12,4, falando sobre Natal, diz:

O Dragão se deteve em frente da mulher, que estava para dar à luz, a fim de lhe devorar o filho quando nascesse...

Na escuridão do Natal, vivia uma criatura invisível;

Havia um espírito do mal ao redor de Belém;

Um demônio que não tem paz no coração;

Ele só terá paz se o menino for morto.

Ele tem medo deste menino.

Porque este menino nasceu para governar com o cetro de ferro;

Este menino nasceu para destruir a antiga Serpente, o Diabo, o Satanás.

Ele nasceu para fazer a guerra;

“Nada de paz, nada de amor, tudo morre em derredor”.

Haviam soldados em Jerusalém;

Eles estavam limpando as suas armas,

Esperando a ordem para buscar O rei dos Judeus e matá-lo!

O Espírito do mal se deteve em frente da mulher, que estava para dar à luz,  a fim de lhe devorar o filho quando nascesse...

 

A GUERRA NOS CORREDORES DE NATAL

  1. A GUERRA AO REDOR DO NASCIMENTO DO CRISTO;
  2. A GUERRA AO REDOR DO CRESCIMENTO DE CRISTO;
  3. A GUERRA DEPOIS DO ARREBATAMENTO DE CRISTO;

 

Irmãos,

Apocalipse 12, 5 diz: Nasceu-lhe, pois, um filho varão, que há de reger todas as nações com vara de ferro. Este texto fala sobre o nascimento do Messias e sobre o destino dele: ele governará todas as nações.

O anjo já disse coisa semelhante à Maria (Lucas. 1, 31):  Maria, não temas; porque achaste graça diante de Deus; Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor, lhe dará o trono de Davi, seu pai; Ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim. Mas o texto em Apocalipse 12 nos oferece um detalhe interessante. O texto diz: ele governará todas as nações com vara de ferro.

Essa ‘vara de ferro’ é uma palavra chave que vem do Salmo 2. O Salmo 2 é um salmo profético. Contém uma profecia sobre o futuro. Sobre o Messias, sobre o Cristo. O Salmo 2 é um dos salmos mais citados no NT, apontando Jesus como o Messias. (Mt. 3,17; 17,5; Atos 4,25-27; 13,33; Rom 1,4; Hb. 1,5; 5,5; Apoc. 2,26-27; 12,5; 19,15). De acordo com o Novo testamento, podemos dizer que o salmo fala sobre o Messias, sobre Jesus Cristo. Ele é o filho, que merece a vara de ferro. O salmo se cumpriu na sua época. O início do Salmo fala sobre a guerra nos corredores do Natal:

 “Por que se enfurecem os gentios e os povos imaginam coisas vãs?

Os reis da terra se levantam, e os príncipes conspiram!

Contra o Senhor e contra o seu ungido, dizendo:

Rompamos os seus laços e sacudamos de nós as suas algemas”.

O salmo está dizendo que os reis estavam fazendo planos, conspirações... Contra o Senhor e o seu Cristo. Eles não querem se submeter ao Cristo. A história de Jesus confirma isso. Porque quando Jesus nasceu, apareceu uma estrela no céu. Esse foi um sinal, que chamou a atenção dos magos. Eles observaram este sinal e foram buscar ‘o grande rei dos Judeus’. Chegaram em Jerusalém e contaram toda história ao rei Herodes, O Grande. Herodes conhecia as antigas profecias, e reagiu conforme se disse no salmo 2. ...Para ler mais, clique aqui.

T: Apocalipse 12

L: Gênesis 3,15;

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Estamos perto do dia de Natal.  Nesse dia nós comemoramos o nascimento do nosso Senhor Jesus Cristo.  Mas como nós comemoramos o nascimento dele?  Muitas vezes fazemos isso isoladamente.  Só observamos o momento histórico do nascimento dele, as circunstâncias em que ele nasceu sem observar as consequências.  A nossa visão é muito limitada.

Nós somos como um motorista na fila. Ele anda na estrada e num certo momento fica preso num engarrafamento. Ele só pode ver o carro em frente dele e o carro ao lado dele e atrás dele. Então, ele tem uma visão limitada. Ele não pode ver o que aconteceu em frente, o que causa a fila; e ele também não pode ver o que está acontecendo atrás. Ele está no meio da fila e a sua visão se limita a isso. Ele não sabe o que a polícia esta fazendo para resolver a situação. Mas o jornalista, que está num helicóptero, tem uma visão mais ampla. Ele pode ver tudo. Ele sabe o que aconteceu em frente e o que está acontecendo atrás. Ele pode ver o que a polícia está fazendo, assim tem uma visão bem mais ampla e descreve a situação.

O apóstolo João é como tal jornalista. Ele recebeu uma visão muito mais ampla sobre o nascimento de Jesus Cristo. Deus lhe mostrou a história de Natal através de imagens que foram projetadas no céu. Como uma apresentação de slides. Deus lhe revelou a história de Natal desde o início até o final.

O Apocalipse nos oferece a história de Natal pela perspectiva profética de João, ou talvez seja melhor dizer: pela perspectiva profética de Jesus, porque o Apocalipse oferece as revelações de Jesus à João! O ...Para ler mais, clique aqui.

Texto: Apocalipse 12

 

Irmãos,

Houve Natal no Paraíso? O que vocês acham? Adão e Eva conheciam a festa de Natal? Sim! Eles conheciam. Não como nós celebramos o dia de Natal. Mas, eles conheciam o Natal mais simples do mundo. Não houve um culto, nem uma bíblia como nós temos. Mas eles conheciam a essência do Natal. Eles tinham a promessa do Natal. Deus lhes contou em algumas palavras a essência do Natal. Ele disse:

 

Porei inimizade entre ti e a mulher,

E entre tua semente e a sua semente;

Esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar.

 

Com estas palavras Deus prometeu a festa de Natal. Pois a festa de Natal é a festa da mulher; A festa da sua semente. É a festa da vitória. A vitória sobre a serpente, a vitória sobre a semente da serpente. No dia de Natal a mulher dará à luz um filho que vai ferir a cabeça da serpente.

Mas antes disso, muitas coisas acontecerão. Antes disso haverá um conflito profundo. Haverá inimizade; haverá guerra. Entre a serpente e a mulher. Entre a descendência da mulher e a descendência da serpente.

Inimizade nas gerações. Não por um momento, mas por muito tempo. Uma inimizade eterna. Em todas as gerações. Adão e Eva e os seus descendentes vão experimentar isso. Uma inimizade forte, um ódio profundo, do lado da serpente.

Quem é a serpente? Nós não lemos nada sobre isso nos primeiros capítulos da bíblia. Isso é explicado nos últimos capítulos da bíblia. No livro de Apocalipse. Em Apocalipse 12 encontramos de novo uma mulher e a serpente. A serpente do início cresceu bastante. Ela atingiu o seu crescimento máximo: a serpente se tornou num dragão. Em Apocalipse 12,9 João nos...Para ler mais, clique aqui.

Texto: Malaquias 4: 5-6
Leitura: Malaquias 2: 1-9; 17: 3-5; 4: 1-6

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

As últimas palavras de uma pessoa não são esquecidas facilmente. As que foram ditas no momento de despedir-se; as ditas por uma pessoa no leito da morte; essas palavras ficam gravadas na memória dos ouvintes.

Da mesma maneira não devemos esquecer as últimas palavras que foram ditas no Antigo Testamento, pelo profeta Malaquias: “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível Dia do Senhor; ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição”. Com essas palavras Malaquias encerra o seu livro, e estas palavras impressionaram o povo de Israel.

Até agora os judeus esperam pela vinda de Elias. Dá para ver quando os Judeus fazem uma festa, como a festa da Páscoa. Nesse momento todos se sentam à mesa, mas sempre uma cadeira fica vazia. Sempre há uma cadeira vazia na mesa. Esta cadeira é reservada. Ela está livre para uma pessoa especial. Está livre para Elias. Dessa maneira os judeus mostram que eles contam com a vinda de Elias. Se vier, será bem vindo!

Conforme os Judeus, Elias ainda virá. Mas eles estão certos nisso? Pois Jesus nos informou que Elias JÁ chegou! Em Mateus 17, depois da transfiguração de Jesus na montanha; depois do seu encontro com Moisés e ELIAS, os alunos lhe perguntam: Por que dizem, pois, os escribas ser necessário que Elias venha primeiro? Jesus respondeu o seguinte: “De fato, Elias virá e restaurará todas as coisas. Eu, porém, vos declaro que Elias já veio, e não o reconheceram!”

Conforme os professores dos Judeus, Elias ainda virá, mas conforme o nosso Grande Professor ... Para ler mais, clique aqui.