T: Eclesiastes 6. 3-6

L: Mateus 16, 26; Lucas 16, 19-31

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus!

“Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca da sua alma?”

Com certeza todo mundo se lembra dessa dica de Jesus. [Esse foi o tema do nosso retiro de Carnaval, no início deste ano. Nós nos retiramos do mundo com as suas festas carnais para fortalecer a nossa alma; nós tivemos um retiro excelente que fortaleceu a comunhão dos santos e a nossa comunhão com Cristo. Assim começamos este ano.]

[E depois houve mais um momento em que nós meditamos sobre este texto. Foi durante o congresso dos jovens, que foi organizado aqui em Maceió. O nosso irmão Everaldo falou sobre este tema e chamou a atenção dos jovens para isso: “Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca da sua alma?”]

Eu fiquei pensando nessas palavras quando encontrei o texto de Eclesiastes 6, 3-6, que serve como texto para hoje à noite, chegando ao final do ano, meditando sobre o ano de [2012] e olhando para o ano que vem. Como foi e como será? O que caracterizou a nossa vida em [2012]?

Quem observar a retrospectiva de [2012] pode ver que existem muitas pessoas que trabalharam e trabalharam para se tornar ricos; eles se esforçaram ao máximo para melhorar a sua vida. A vida de muitas pessoas é assim; elas querem melhorar sua vida aqui na terra; elas estão preocupadas com isso: com as finanças, com a saúde, com as crianças, com a escola, com o futuro, com o emprego, com a empresa. Todas essas coisas ocupam a nossa mente, a nossa agenda, o nosso coração. Assim é a vida do homem. Mas Jesus nos para e diz: “Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca da sua alma?”... Para ler mais, clique aqui.

T: Eclesiastes 3, 1-13; Provérbios 30, 7-9

L: Domingo 46 (+ Domingo 10) CdH

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Estamos no começo do ano e muitas pessoas começaram este ano com bons desejos. Quase todo mundo tem bons desejos ou bons planos que querem realizar; muitas vezes temos uma lista de desejos em nossa mente, e às vezes escrevemos estes desejos num papel. Crianças fazem isso antes do dia do seu aniversário. Elas fazem uma lista das coisas que desejam; desejos pequenos e desejos grandes. E no dia do seu aniversário elas recebem essas coisas como presentes. Quer dizer: algumas coisas elas recebem, mas outras não, embora tenham pedido.

E às vezes uma criança se pergunta: por que não recebi aquela coisa? Por quê? Bom, pode ser que aquela coisa era cara demais; ou: pode ser que o seu pai não quis dar, porque não achou aquela coisa boa para você. Você desejava muito, mas o seu pai não achou SÁBIO lhe dar. Isso é uma pena, mas pode ser que o seu pai tem razão; provavelmente ele sabe melhor o que você realmente precisa. Assim é a vida.

Assim também é a vida com o nosso Pai que está no céu. Se orarmos, pedimos várias coisas ao nosso Pai que está no céu. Pedimos ajuda, proteção ou perdão; ou Lhe pedimos para curar uma pessoa que amamos.

Mas recebemos sempre o que pedimos ao nosso Pai Celestial? Algumas coisas, SIM! Se pedirmos honestamente a remissão dos nossos pecados, Deus nos oferecerá, se realmente nos arrependermos. Mas existem outras coisas que Deus nem sempre dá. Deus sempre cura as pessoas? Não, Deus não cura sempre as pessoas. E por que não? Deus não PODE curar todas as pessoas? SIM, Deus pode curar qualquer doença, mas esse não é o problema. Muitas ... Para ler mais, clique aqui.

T: Apoc. 12, 13-18

L: Salmo 124

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

As revelações feitas em Apocalipse 12 nos mostram que a história desse mundo tem dois lados. O lado visível e o lado invisível. Ontem – pelas retrospectivas do ano – nós podíamos ver as coisas visíveis que aconteceram durante este ano de [2009]. Mas existe também um lado invisível: um lado espiritual. Jesus Cristo conhece este lado e nos informa sobre este lado aqui em Apocalipse 12. Ele nos revelou o lado invisível no dia do Natal: a guerra nos corredores de Natal; Ele nos revelou o lado invisível depois da sua Ascensão: a batalha que houve no céu. E no final ele nos revela o que vai acontecer no final dos tempos: A luta espiritual entre Satanás e a igreja de Cristo.

Agora, irmãos, lendo Apocalipse 12, nós podemos notar um detalhe interessante a respeito do final dos tempos. Existem três expressões diferentes a respeito desse tempo neste capítulo. A primeira indicação está em vs. 6, que diz que Deus sustentará a mulher no deserto durante mil duzentos e sessenta dias; a segunda indicação está em vs. 12, que diz que o Dragão chegou na terra sabendo que pouco tempo lhe resta; e a terceira indicação está em vs. 14, que repete vs. 6 e diz que Deus sustentará a mulher no deserto durante um tempo, tempos e metade de um tempo. Três expressões diferentes para indicar o final dos tempos. Três expressões diferentes, porque são feitas de três pontos de vista diferentes. Do ponto de vista da Igreja, do ponto de vista do Diabo e do ponto de vista de Deus.

JESUS TRAZ CONSOLO PARA A SUA IGREJA NO FINAL DO ANO de [2014] OBSERVANDO O FINAL DOS TEMPOS.

  • O Final dos tempos será longo e difícil para a igreja;
  • O Final dos tempos será curto para o Dragão;
  • O Final dos tempos será cortado por Deus;

 

Vamos observar a primeira expressão. Ela está ligada com a situação da mulher, que fugiu para o deserto e que será sustentada por Deus durante mil duzentos e sessenta dias. O texto fala sobre o tempo depois da ascensão de Cristo. Este tempo é contado em várias maneiras. Como já disse: vs. 14 diz um tempo, tempos e metade de um tempo; vs. 12 diz: pouco tempo; e vs. 6 diz: mil duzentos e sessenta dias; Todas às vezes se fala sobre o mesmo tempo. Mas de uma maneira diferenciada, porque o tempo é uma coisa relativa. Uma hora é nada para quem tem muitas coisas a fazer. A hora voa; mas uma hora é longa para quem está doente na cama e não tem nada a fazer. O tempo é relativo. Também nesse caso. Vamos ver!

Jesus nos revela que a mulher deve fugir para o deserto. O deserto serve como esconderijo!  O tempo no deserto deve ser considerado como o tempo num esconderijo. E o tempo num esconderijo é longo. Este tempo se conta em dias.

Li uma vez um livro sobre uma menina judaica, que estava num esconderijo durante a segunda guerra mundial. Anne Frank foi o nome dela. Ela estava num esconderijo por mais ou menos três anos. Foi muito tempo! Ela contava os dias. Todo dia foi longo porque nada aconteceu. E as poucas coisas que aconteceram, ela anotou no diário dela.

O deserto em Apocalipse 12 tem também um outro aspecto. A mulher fugiu para o deserto e isso nos lembra o livro de Êxodo. Israel também fugiu  para o deserto. O deserto era um esconderijo para Israel, mas também uma passagem para o país prometida. O tempo no deserto foi um tempo provisório. Um tempo que ia acabar. O tempo no deserto é um tempo cheio de esperança. E o tempo de esperança é também tempo longo. As crianças sabem disso. Muitas crianças estavam ansiosas para o final desse ano letivo: elas estavam esperando pelas férias! Parece que o tempo na escola anda muito lento. Algumas crianças já estavam contando os dias desde junho. Elas contaram os dias. [Tenho uma filha que completará ano no dia 21 de Janeiro e cada dia ela vem perto de me e me pergunta: quantos dias ainda? Ela está contando os dias, porque está cheia de esperança.]

            A igreja também! Já na época do apóstolo Pedro as pessoas estavam reclamando e perguntando (2 Pe. 3,4): Onde está a promessa da sua vinda? Pedro vivia nos primeiros anos depois da ascensão de Cristo; nós vivemos quase dois mil anos depois da ascensão de Cristo. Já não contamos mais os dias, talvez nem mais sejamos interessados na vinda de Cristo. Pensamos ...Para ler mais, clique aqui.

Texto: João 10, 9

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Entramos no ano novo. Estamos entrando pela porta do ano (.......). Esta porta é o mês de Janeiro. O nome “Janeiro” vem de uma palavra latina “IANUA”. “Ianua” quer dizer “porta”. Eles chamaram o primeiro mês do ano de “Janeiro”, pois este mês é a porta pela qual entramos no ano novo.

Pensando nisso, me lembrei que Jesus disse: “Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo.” Jesus é a porta. Claro, ele não é uma verdadeira porta, mas ele usa uma metáfora. “Eu sou a porta”, ele disse. A porta salva. Quem será salvo são as ovelhas; A porta protege as ovelhas contra os perigos que estão fora da porta. Isso é o ponto da comparação neste capitulo.  Pois num lado Jesus disse: “Eu sou a porta”. E no outro lado ele disse: “Eu sou o bom pastor”. São duas coisas diferentes: O bom pastor E a porta. Mas os dois têm um ponto em comum: OS DOIS PROTEGEM AS OVELHAS.

A porta protege as ovelhas, quando estão no aprisco;

O bom pastor protege as ovelhas, quando estão no campo.

Como é a situação de um pastor com ovelhas. Normalmente ele leva as ovelhas para fora, buscando comida e água. Pense em Salmo 23. Mas no fim do dia; ou no fim da semana, ele volta para casa e as ovelhas ficam no aprisco. Este aprisco é um lugar fechado por muralhas e com uma porta. No começo do dia o Pastor vem e o porteiro abre a porta e o pastor chama as suas ovelhas. Elas conhecem a voz do pastor e o segue.

Podemos comparar a porta do aprisco também com a porta de uma cidade.

A cidade é um lugar seguro...Para ler mais, clique aqui.