Texto: Efésios. 6, 1-4

 

Irmãos,

Vivemos numa época em que podemos escolher os melhores produtos. Uma mulher que quer o melhor vai para um grande supermercado, e lá ela encontra uma enorme variedade de produtos. Seis tipos de leite, vários tipos de carne, mais do que 20 tipos de peixe; e muito mais coisas. Quem quer comprar um aparelho de som ou uma televisão faz primeiramente uma pesquisa para descobrir os preços e a qualidade, para depois escolher a melhor qualidade com o preço mais baixo.  Assim funciona a nossa sociedade.  Pode comprar quase tudo.

Já existe a possibilidade de escolher os seus filhos. Se um casal rico quiser ter um filho, eles podem ir para uma clínica particular, e lá os médicos têm a possibilidade de manipular geneticamente, de modo que será certo que o nenê será um menino ou uma menina. E provavelmente no futuro os pais ricos podem escolher qual será a cor dos olhos e dos cabelos que a sua criança terá.

Então, irmãos, os pais ricos já podem decidir o tipo de criança que eles preferem. Mas os filhos não têm esta oportunidade. Nem os filhos ricos, nem os filhos pobres. O filho não pode decidir que tipo de pai ele quer. Quando uma criança nasce ele tem um pai e uma mãe. E isso não muda. Ele não pode ir para uma loja trocar o seu pai, ou para melhorar a sua mãe. Isso não é possível. Cada criança tem o seu pai e a sua mãe. Quem deu: Deus. Deus dá a cada criança seu pai e sua mãe. Pode ser um pai bom, pode ser um pai com muitos defeitos. Não podemos mudar isso, nem podemos trocar o nosso pai por outro. Pai é pai, e mãe é mãe. Ninguém...Para ler mais, clique aqui.

Texto: Efésios 6, 1-4                                

Leitura: Domingo 27 CdH

 

Queridos irmãos e irmãs,

 

“O batismo infantil é a maior e principal abominação do Papa”.

Assim fala o primeiro artigo da primeira confissão que os anabatistas adotaram na cidade de Schleitheim, em 1527. Eles rejeitaram radicalmente o batismo infantil. De acordo com os anabatistas:

"O batismo deve ser dado a todos aqueles que se arrependem e mudam de vida, e que verdadeiramente acreditam que seus pecados são levados por Cristo, e a todos aqueles que andam na ressurreição de Jesus Cristo, e que desejam ser sepultados com Ele na morte, para que possam ser ressuscitados com Ele, e para todos aquele que, com esta compreensão, o pedem a nós e o procuram para si. Isso exclui todo batismo infantil, a maior e principal abominação do Papa”.

O movimento dos anabatistas foi um movimento radical que se espalhou em toda a Europa na época da Reforma. Tanto a igreja de Roma, como também os Luteranos e as igrejas Reformadas conheciam o batismo infantil. Mas os anabatistas o rejeitaram rigorosamente.

Em 1543 houve um grande tumulto na igreja de Cornaux (perto de Neuchatel, na Suiça), quando o pastor quis batizar uma criança. Uma pessoa que estava no meio da congregação se levantou, gritou e disse: “Onde está escrito nas Sagradas Escrituras que as crianças devem ser batizadas?”. Prestem atenção que naquela época a igreja reformada ainda não conhecia o Catecismo de Heidelberg, nem a forma do Batismo, que seria feita vinte anos depois, em 1563.

Essa pergunta - Onde está escrito nas Sagradas Escrituras que as crianças devem ser batizadas?- se repetia várias vezes nas discussões com os anabatistas. Eles sempre faziam esta pergunta e provavelmente por causa disso os professores reformados de Heidelberg colocaram uma resposta sobre o batismo infantil no...Para ler mais, clique aqui.

 

Texto: Salmo 127
Leitura: Quinto mandamento
Salmo 139, 1-16

Amados irmãos,

Há algum tempo li no Jornal Gazeta uma pesquisa que foi feita, e que falava sobre Clonagem. Parece que sessenta e sete por cento da população de Maceió é favorável à clonagem de embriões humanos com fins terapêuticos, para ajudar na cura de doenças. E noventa e dois por cento se mostraram contrários à clonagem para fins reprodutivos.

Me surpreendi sobre isso. Até pior: fiquei assustado quando li isso, pois sinto um grande desrespeito com a vida; a vida das crianças, dos embriões. A vida antes do nascimento. A maioria das pessoas quer deixar fazer uma clonagem, uma separação da primeira célula, de modo que se criem dois embriões. Eles querem fazer isso não para criar um embrião, mas para usar essa vida primitiva. Tirar as coisas que são úteis para usar. Quer dizer: matar essa vida primitiva para tirar os órgãos ou outras células com fins terapêuticos.

Não entendo como pessoas podem ser a favor disso. Se eu vou pagar um médico ruim para matar uma criança a fim de tirar os seus órgãos com fins terapêuticos, quer dizer, para vender e assim ajudar outras pessoas doentes, todo mundo vai reagir e reprovar. Mas se eu faço a mesma coisa num laboratório com as primeiras células de uma criança, tudo mundo está a favor. Pode ser que isso é resultado da novela popular com o mesmo nome, “O
Clone”.

Uma novela bem feita que mostrou todos os problemas a respeito do planejamento de uma família. Um homem (Ali) com várias mulheres; um casal feliz de Marrocos (Mohammed e Latifa); Um outro casal, mas este infeliz, em que a mulher (Jade) não quer ter um filho; Um casal brasileiro infeliz (Lucas e Maysa), quase separados, com uma filha; um... Para ler mais, clique aqui.