Leitura: Domingo 42 CdH

Texto: Lucas 16, 1-15

Queridos irmãos, irmãs,

Por um momento, nesta semana, pensei na possibilidade de limitar este sermão sobre o oitavo mandamento à leitura do oitavo mandamento junto com o comentário do Catecismo. Seria um sermão bem breve, mas claro. Todo mundo poderia entender e não ia se perder nas muitas observações que qualquer pregador traz. Mas, pensando um pouco mais sobre essa possibilidade, eu a rejeitei, porque provavelmente o efeito seria o mesmo de quando ouvimos os dez mandamentos no início do culto. Nós já ouvimos tantas vezes, que podemos repetir as palavras automaticamente: Não matarás, não adulterarás, não furtarás etc. Já gravamos em nossa memória e, por causa disso, muitas vezes nem ouvimos mais o que o pastor está dizendo. Só quando ele erra, ou quando ele usa outra palavra. Naquele momento, nós acordamos. Porém, os Dez Mandamentos não são como um cântico para as crianças antes de dormir; tem que repetir as palavras para que as crianças se cansem de ouvir e comecem a dormir. Não estou aqui para fazer vocês adormecerem, mas para vocês acordarem. Tenho que pregar e APLICAR este mandamento em suas vidas.

E tem mais, porque o oitavo mandamento não fala somente sobre o furto e o roubo; fala sobre muito mais, fala sobre os nossos bens e como devemos ganhar e administrar os nossos bens. Vamos ouvir mais sobre isso no sermão. O que eu quero enfatizar é o lado bom desse mandamento. Quando preguei sobre os 10 mandamentos em geral, eu já disse: Deus é bom e a Lei é boa. Ela aponta o pecado e nos avisa para não andar naquele caminho, mas ao mesmo tempo ela ensina também o caminho bom. O caminho de Deus. Dessa maneira vamos também observar o oitavo mandamento hoje de manhã:

 

O BOM DEUS SE PREOCUPA COM OS NOSSOS PRECIOSOS BENS POR MEIO DO OITAVO MANDAMENTO.

O OITAVO MANDAMENTO É BOM

  • PARA MIM;
  • PARA OS MEUS VIZINHOS;
  • PARA A NOSSA IGREJA;
  • PARA O NOSSO GOVERNO;

 

O OITAVO MANDAMENTO É BOM PARA MIM.

Quando o pregador diz: Não furtarás!, os ouvintes pensam, em primeiro lugar, em si mesmos. Todo mundo concorda com este mandamento e pensa em si mesmo: “Pois é! Não toca nas minhas coisas. O que pertence a mim é meu!” Parece que Deus coloca uma placa na entrada da nossa casa, dizendo: “Não Furtarás”. O aviso é para as pessoas de fora: os malandros, os vagabundos, os ladrões, que querem roubar ou furtar as coisas que ganhamos e guardamos em nossas casas ou em nossos carros. Não furtarás!... Para ler mais, clique aqui.

Leitura: Domingo 21 CdH + Art. 28 CdF

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Quem fala sobre Cristo, deve falar também sobre a igreja de Cristo, pois a igreja sempre estava ligada com Cristo. A nossa Confissão da Fé diz (Art. 27): Essa igreja existe desde o princípio do mundo, e existirá até o fim. Pois Cristo é um rei eterno que não pode estar sem súditos.

Então, quem fala sobre Jesus Cristo, deve falar também sobre a igreja de Cristo. Mas o que é a igreja de Cristo? Com certeza a resposta à essa pergunta era simples na época dos apóstolos e nos primeiros séculos seguintes. A igreja de Cristo se destacava no meio das religiões pagãs e das seitas judaicas. A igreja de Cristo era uma santa congregação e assembleia dos verdadeiros crentes em Cristo, que esperam toda a sua salvação de Jesus Cristo, lavados pelo seu sangue, santificados e selados pelo Espírito Santo. A fé em Cristo levou as pessoas da sinagoga dos judeus para a igreja de Cristo.

A cruz de Cristo se tornou um símbolo no mundo, como Paulo mesmo disse (1 Co. 1, 18): A palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus [-]. Porque tanto os judeus pedem sinais, como os gregos buscam sabedoria; mas nós pregamos o Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios. A congregação cristã em redor da cruz se destacou bastante, e ninguém tinha problemas para identificar a igreja de Cristo. ... Para ler mais, clique aqui.

 

Domingo 1 CdH

P. 1: Qual o seu único conforto na vida e na morte?

R.: O meu único conforto é que - corpo e alma, na vida e na morte - não pertenço a mim mesmo, mas ao meu fiel Salvador, Jesus Cristo, que, ao preço do seu próprio sangue, pagou totalmente por todos os meus pecados e me libertou completamente do domínio do pecado. Ele me protege tão bem que, contra a vontade de meu Pai do céu, não perderei nenhum fio de cabelo. Na verdade, tudo coopera para o meu bem e o seu propósito é para a minha salvação. Portanto, pelo seu Espírito Santo ele também me garante a vida eterna e me torna disposto a viver para ele daqui em diante, de todo o coração.

 

Texto: Marcos 10, 17-22 & Salmo 49

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Vocês são felizes? E por que sim? Ou por que não? O que falta na sua vida? Por que você não é feliz? O que deixa um homem feliz? Dinheiro? Dinheiro deixa uma pessoa feliz? Parece que sim! Quem tem dinheiro pode comprar o que quiser e pode fazer o que quiser. Isso deixa muitas pessoas felizes. Mas esta felicidade dura para sempre? Esta felicidade é profunda? Podemos realmente comprar TUDO o que o nosso coração deseja? TUDO? Também a vida eterna?

A Bíblia nos dá um exemplo de um homem que era muito rico. Ele era riquíssimo. Podia comprar tudo o que queria. TUDO? Não, ele não podia comprar tudo. Ele não podia comprar a vida eterna. E, por causa disso, ele veio para perto de Jesus com esta pergunta: -Mestre, o que devo FAZER para conseguir a vida eterna? E Jesus o explica: -Faça a vontade de Deus. Obedeça aos mandamentos de Deus. O homem, ouvindo isso, ficou muito feliz, pois ele cumpria todos os mandamentos.

Ele cumpria todos os mandamentos? TODOS? Sim, todos! Mas será que ele fez isso com amor? Jesus quer saber isso, e por isso ele disse: -Falta mais uma coisa para você fazer: Vá, venda tudo o que tem e dê o dinheiro aos pobres, e assim você será rico no céu. Depois, venha e me siga. O homem, ouvindo isso, ficou muito triste. Ele descobriu a sua pobreza quando ele ouviu as palavras do senhor. Apesar da sua riqueza, ele ainda era pobre. Ele tinha muito dinheiro, mas pouco amor. Ele podia viver feliz, mas ele não podia morrer feliz. E quem não pode morrer em paz, nunca vai viver em paz. Então, a pergunta é:

 

O que devemos saber para VIVER e MORRER EM PAZ?

1° lugar: devemos saber A NOSSA POBREZA;

2° lugar: devemos saber A RIQUEZA DE CRISTO;

3° lugar: devemos ter certeza que ESTA RIQUEZA É DADA A NÓS POR DEUS.

 

A NOSSA POBREZA 

Irmãos, o nosso catecismo começa com esta pergunta fundamental: qual é o nosso único consolo, na vida E na morte? O que nos dá paz no coração durante a nossa vida, mas também no dia em que a morte bate em nossa porta? Esta pergunta é uma pergunta dura, mas também real, irmãos. A morte é uma realidade em nossa vida. Pode ser que nós não queremos saber disso, que neguemos esta realidade, ou que fujamos desta realidade, mas um dia, pode ser amanhã, pode ser depois de muitos anos, a morte bate em nossa porta; pois somos homens mortais. Nós VIVEMOS E MORREMOS. A nossa vida conhece os seus momentos de muita alegria, mas a nossa vida conhece também um lado triste: é A MORTE, que ataca de repente e encerra a vida. Seja uma criança, seja um jovem, seja uma mãe de 5 crianças, seja um idoso de 80 anos; ninguém pode...Para ler mais, clique aqui

 

 

Leitura: Domingo 31 CdH

Texto: Mateus 23

Amados irmãos e irmãs,

Os Domingos 30 e 31 protegem o acesso à Santa Ceia, para que a ceia seja santa!

Os guardas da santa ceia devem saber que os incrédulos e ímpios não podem participar, nem os pecadores impenitentes E os Hipócritas!

Quem são esses hipócritas? Quem já viu um hipócrita? Isso é difícil de dizer, irmãos. Ele pode estar sentado bem perto de você, talvez até ao seu lado, mas você não sabe.

O hipócrita parece como ovelha, semelhante às outras ovelhas, mas por dentro ela é diferente. Como? O que é um hipócrita? Vamos acender a lâmpada das escrituras para descobrir o que é um hipócrita. Vamos ouvir o testemunho de Deus

Em primeiro lugar: por meio de dois profetas, Isaías e João Batista;

Em segundo lugar: por meio do nosso Supremo Profeta, Jesus;

Em terceiro lugar: por meio do apóstolo Pedro;

Vamos ouvir o profeta Isaías. Isaías (29:13) não usa a palavra hipócritas, mas oferece uma boa descrição. Ele falou: O Senhor disse: Visto que este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, que maquinalmente aprendeu.  Então, de fora, parecem santos, mas por dentro, não são.

Santarrões e Santarronas! Hipócritas!

João Batista (Mt 3, 2 e 7) foi o último profeta do Antigo Testamento; ele preparou o caminho do Senhor e disse às pessoas: Arrependei-vos, porque está próximo o Reino de Deus! Vendo ele, porém, que muitos fariseus e saduceus (homens santos e respeitados) vinham ao batismo, disse-lhes: Raça de Víboras, quem vos induziu a fugir da ira de vindoura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento, pois a árvore que não...Para ler mais, clique aqui.

 

 

Leitura: Domingo 26 CdH

Texto: Tito 3,3-6

 

Amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus,

Alguém já viu uma reportagem sobre Índia? Alguém já viu as mulheres da Índia?  Muitas indianas andam com um sinal na testa. Bem aqui (apontar!), no meio das sobrancelhas! Um pontinho vermelho, amarelo ou azul. Elas chamam esse pontinho de “bindi” ou “tikka”; essas mulheres acreditam que esse pontinho serve como um “terceiro olho”, que as protege contra o mal. O hinduísmo ensina isso.

As mulheres cristãs que vivem na Índia não acreditam nisso, e não usam aquele “tikka”.  Elas têm um outro sinal na testa, como todos nós. Esse sinal é invisível. Esse sinal é a água do batismo. Todos vocês receberam esse sinal no dia do seu batismo. Essa é uma caraterística de todos os cristãos. É uma marca.

Essa marca é visível no momento em que a pessoa está sendo batizada. Naquele momento o pastor derrama água na cabeça da pessoa, ou a pessoa entra numa piscina, para ser batizada por imersão. Existem dois tipos de batismo: um por aspersão e o outro por imersão. No primeiro caso o pastor derrama a água na cabeça da criança ou do adulto; e, no segundo caso, a pessoa entra numa piscina ou num rio para ser lavada inteiramente pela água. Maneiras diferentes, porém a mensagem é a mesma. Veja o Catecismo: Cristo instituiu essa lavagem com água e acrescentou a promessa de lavar com seu sangue e Espírito a impureza da minha alma (isto é, todos os meus pecados) tão certo como por fora fico limpo com a água que tira a sujeira do corpo.

Então o batismo com água é um sinal da PURIFICAÇÂO DA MINHA ALMA. Cristo faz isso...Para ler mais, clique aqui.

Baixar sermão

 

Leitura: Domingo 3 CdH

Texto: Gênesis 1, 26-27

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Há uma música bem famosa aqui no Brasil, que se chama “Seres Humanos”. Acho que todo mundo aqui conhece bem essa música. Num certo momento, o cantor diz: “Mas que negócio é esse de que somos culpados de tudo que há de errado sobre a face da terra! Buscamos apoio nas religiões e procuramos verdades em suposições. Católicos, judeus, espíritas e ateus: somos maravilhosos. Afinal, somos filhos de Deus”. O cantor acredita nisso: Todos somos filhos de Deus!

Neste ponto, há um conflito entre a filosofia desse cantor e o nosso catecismo. O Catecismo também fala sobre o homem, que foi criado de acordo com a imagem de Deus. Ele diz: Deus criou o homem bom e à sua imagem: isto é, em verdadeira justiça e santidade. Mas a natureza do homem foi corrompida quando ele caiu em pecado. Depois da sua queda, o homem ficou tão corrompido que não consegue fazer bem algum; qualquer homem é inclinado a todo mal. Então, a pergunta é essa: o homem ainda manifesta a imagem de Deus? Qualquer homem nos oferece tal imagem?

Baixar sermão

Leitura: Domingo 2 CdH

Texto: Mateus 22, 34-40

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Quero começar contando uma história que já contei uma vez, mas não a todos. Essa história aconteceu no campo missionário na Indonésia. Os missionários foram para lá pregando o evangelho, falando sobre Jesus Cristo e também sobre o Grande Mandamento. Eles entraram nas florestas e converteram várias tribos, começando com as mulheres e, finalmente, também os seus líderes.

O trabalho dos missionários foi abençoado, mas, de repente, um dos grandes líderes não apareceu mais na igreja, afastou-se, e voltou à religião dos seus antigos. Um dos missionários o procurou, porque queria saber o que tinha acontecido. O líder não quis falar, mas depois de muito insistir, ele finalmente disse: “Prefiro voltar para a religião dos meus pais e ancestrais do que ficar na igreja. A religião dos meus pais é muito mais fácil do que a religião que vocês pregam. A religião dos meus pais tem 999 regras e mandamentos, que posso cumprir facilmente, mas a religião do vosso mestre Jesus é impossível. Ele pede meu coração, minha alma e todo o meu entendimento. Não consigo lhe dar. Isso é impossível”.

Essa experiência se tornou uma boa oportunidade para falar sobre o verdadeiro evangelho de Jesus Cristo, mas este exemplo nos mostra também, claramente, o problema que nós temos com o Grande Mandamento que Deus nos deu. Hoje vamos dar mais atenção a isso: Ao Grande Mandamento e à nossa Miséria!

O grande Mandamento de Deus nos mostra a nossa grande Miséria.

  • O Grande Mandamento de Deus;
  • A Grande Miséria do Homem;
  • O Grande Sacrifício de Jesus.
  1. O Grande Mandamento de Deus…. Para ler mais, clique aqui.

Leitura: Domingo 22 CdH

Texto: 2 Co. 5, 1-9

 

Queridos irmãos, irmãos,

A parte final do Credo Apostólico fala sobre a pessoa e a obra do Espírito Santo. [Faz três semanas que o pr. Flávio pregou sobre o Domingo 20, que fala sobre a pessoa do Espírito Santo, e duas semanas atrás ele pregou sobre o Domingo 21, que fala sobre a oficina do Espírito Santo, que é a igreja]. Aqui na igreja o Espírito Santo está trabalhando com material precioso: com pessoas, como você e eu; pessoas pelas quais Cristo pagou um alto preço, derramando seu sangue. O Espírito Santo transforma essas pessoas numa comunidade de santos. Uma comunidade que é eleita para a vida eterna. O objetivo é esse. O plano é que vocês, como congregação cristã, finalmente se apresentem perante Deus, como filhos: herdeiros da vida eterna.

Para realizar esse objetivo, o Espírito Santo está trabalhando aqui na terra. Ele chama as pessoas para crer em Cristo; ele as ensina quem é Cristo e as exorta a seguir Jesus Cristo e a amá-lo; ele as reúne na igreja e dessa maneira - desde o Pentecostes - cresce a igreja de Cristo, que é destinada para a vida eterna. Vocês, irmãos, são uma pequena parte dessa igreja universal.

O Espírito Santo trabalha, também, em sua vida. Já dissemos isso no dia do seu batismo. Nós confessamos que os nossos filhos, embora concebidos e nascidos em pecado e por isso sujeitos a toda sorte de miséria, são santificados em Cristo; vocês têm um lugar especial neste mundo; vocês são separados do mundo para amar a Deus e para dedicar a sua vida a Ele; não por um momento, mas para sempre: eternamente. Com esse objetivo o Espírito Santo trabalha na tua vida, para te santificar mais e mais.

A nossa santificação é um processo contínuo, que dura até o final: desde o teu... Para ler mais, clique aqui.

Domingo 4 CdH

P. 9. Então, Deus exige do homem, em sua lei, o que este não pode cumprir. Isso não é injusto?
R. Não, pois Deus criou o homem de tal maneira que este pudesse cumprir a lei. O homem, porém, sob instigação do diabo e por sua própria rebeldia, privou a si mesmo e a todos os seus descendentes desses dons.

P. 10. Deus deixa sem castigo essa desobediência e rebeldia?
R. Não, não deixa, porque ele se ira terrivelmente tanto contra os pecados em que nascemos como contra os que cometemos, e quer castigá-los por justo julgamento agora, nesta vida, e na futura. Ele mesmo declarou: “Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da Lei, para praticá-las” (Gl. 3,10).

P. 11. Mas Deus não é também misericordioso?
R. Deus na verdade é misericordioso, mas também é justo. Por isso, sua justiça exige que o pecado cometido contra a sua suprema majestade seja castigado também com a pena máxima, quer dizer, com o castigo eterno em corpo e alma.

Texto: Domingo 4
Leitura: Salmo 103

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Hoje vamos falar sobre Domingo quatro do nosso Catecismo em combinação com a Santa Ceia; e esta combinação é complicada. Domingo 4 do nosso Catecismo combina com a Santa Ceia como um pingüim que anda no deserto; ou como um leão na Antártica. O contraste entre Domingo 4 e a Santa Ceia é enorme. O domingo 4 fala sobre a ira de Deus, e a Santa Ceia fala sobre a misericórdia de Deus. Esse Domingo é o fundo do poço da nossa miséria.

Domingo 3 já mostrou que o homem é completamente corrompido e inclinado para todo mal. Domingo 4 continua e diz que tal homem está culpado perante Deus. Deus não deixa sem castigo essa rebeldia e desobediência do homem. Ao contrario: Deus SE IRA TERRIVELMENTE tanto contra os pecados em que nascemos como contra os que cometemos e quer castigá-los nesta vida e na futura.

Deus condenou o homem, dizendo: maldito todo aquele, que não permanece em todas as coisas escritas no livro da lei. Deus disse isso na sua ira. E não nos ajuda pensar na misericórdia de Deus, porque a misericórdia de Deus não prevalece sobre a justiça de Deus! A misericórdia de Deus anda junto com a Justiça de Deus, com mãos dadas. Então, a conclusão de Domingo 4 é essa: DEUS SE IRA TERRIVELMENTE CONTRA TODOS OS HOMENS E TODAS AS MULHERES POR CAUSA DA SUA CORRUPÇÃO. ... Para ler mais, clique aqui.

Leitura: Domingo 19

Texto: Efésios 4, 7-16

Queridos irmãos/irmãs,

O Domingo 19 do nosso Catecismo explica a parte do nosso Credo Apostólico que diz que Cristo Jesus “subiu ao céu e está sentado à direita de Deus Pai, o Todo Poderoso; donde há de vir a julgar os vivos e os mortos”. Quer dizer: este Domingo está cheio de assuntos: Fala sobre o Reino de Deus, O Governo de Cristo, a volta de Cristo e o último Julgamento. E ligado a isso há outros assuntos, como, por exemplo, a questão de se Cristo voltará duas vezes; uma vez para estabelecer o Milênio - o governo dele que durará mil anos -, e outra vez para destruir todos os seus inimigos. Os pós-milenistas e os pré-milenistas têm opiniões bem detalhadas sobre isso. O catecismo não toca nesse assunto, então não vou entrar nesse debate, nem quero falar sobre o futuro, mas quero me limitar ao presente. O que o Reino de Cristo significa para nós, hoje?

 

1. Cristo é Rei. Ele tem todo poder!

 

Hoje em dia muitas pessoas têm dúvidas sobre isso. Elas sabem que a Igreja confessa isso, mas elas não experimentam isso em sua vida. Cristo é rei. Okay! Mas ele tem também poder? Há reis que vivem em exílio. Oficialmente ele tem o direito de ser rei, mas de fato ele não tem nenhum poder, porque foi expulso e vive fora do seu país. Um rei em exílio.

A situação de Jesus Cristo se parece com essa para muitas pessoas. Elas podem acreditar que ele tem o direito de ser rei, mas ele não tem poder. Porque SE tiver todo poder, no céu e na terra, o mundo não deveria ser diferente? Melhor? Se alguém chega ao poder, ele vai mudar as coisas de acordo com a sua política. Ele recebeu toda autoridade, e de acordo com essa autoridade ele governa. Não é assim?

Sim, normalmente funciona assim, mas nem sempre. Pode ser que o rei se esforça ao máximo para fazer coisas boas, mas há uma oposição que é resistente. E a resistência pode ser tão grande que ele não consegue realizar seus planos. Essa possibilidade existe. Veja a situação política aqui no Brasil. Temos um presidente que quer realizar seus planos, mas há também muita resistência da oposição... Para ler mais, clique aqui.

Leitura: Ec. 3, 1-11

Texto: Domingo 10 CdH

 

Queridos irmãos e irmãs,

Às vezes eu faço uma pequena lista de coisas que devo fazer;

Uma mini agenda.

Lendo o Domingo 10, parece-me que o nosso Deus também tem uma agenda;

Uma agenda enorme. E esta agenda de Deus parece bem organizada:

Ervas e plantas;

Chuva e seca;

Anos frutíferos e infrutíferos;

Comida e bebida;

Saúde e doença;

Riqueza e pobreza,

E o resto das coisas.

Tudo bem organizado. Numa boa ordem, de acordo com o nosso Catecismo.

Mas o que isso quer dizer? Deus trabalha assim? A mão de Deus está providenciando tudo isso? Saúde para fulano, doença para beltrano; comida aqui, fome ali; tudo bem distribuído no mapa do mundo; a riqueza no norte do globo e a pobreza embaixo da linha do equador.

Falando sobre isso dessa maneira, as coisas parecem banais. Será que a providência de Deus funciona assim, irmãos? Deus divide todas essas coisas, o bem e o mal, e cada um recebe a sua porção? Hoje em dia, muitas pessoas pensam assim. Deus é arbitrário e inconstante. Num momento bonzinho, e no outro momento irritado. Aqui tem abundância, e ali escassez. A sua vida anda cheia de desastres, e na casa da vizinha há prosperidade. Isso causa inveja, e uma pessoa se pergunta por que acontecem tantas coisas em sua vida enquanto na vida dos outros tudo está em paz. Deus sabe o que está fazendo? Posso confiar nele?

O Domingo 10 é muito bonito se tudo estiver andando bem na sua vida, mas quando as coisas mudam e a vida do crente passa por momentos ruins, o brilho do Domingo 10 desaparece e fica difícil aceitar que TUDO vem da mão de Deus. Chuva E SECA! Anos frutíferos e INFRUTÍFEROS; saúde... Para ler mais, clique aqui.

Leitura: Domingo 48B CdH

Texto: Efésios 4, 7-16

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Mais uma vez vamos dar atenção à segunda petição da oração “Pai Nosso”: Venha o teu Reino. Domingo passado já tratamos essa petição pela primeira vez e observamos que essa petição tem vários aspectos. Quando oramos “venha o teu reino”, devemos pensar na obra da regeneração do Espírito de Deus em nossa vida.

 

Venha o teu Reino! Isso quer dizer: Na minha vida; no meu coração!

Venha o teu Reino! Quer dizer também: em nossa igreja!

Venha o teu Reino! No mundo perverso;

Venha o teu Reino! Até no céu!

 

São quatro aspectos do reino de Deus. O reino de Deus deve se manifestar:

1) no meu coração;

2) na nossa igreja;

3) no mundo em redor de nós;

4) e até no céu.

Hoje vamos falar sobre o segundo aspecto: venha o teu reino na nossa igreja!

O nosso Catecismo abre os nossos olhos para este aspecto, porque ele diz no seu comentário: “Governa-nos por tua Palavra e por teu Espírito de tal maneira que, cada vez mais, nos submetamos a ti”. Esse é o aspecto particular do reino de Deus. Mas ele fala também sobre o aspecto eclesiástico do reino de Deus, dizendo: “conserva e aumenta tua igreja”.

Prestem atenção que o catecismo diz: “conserva e aumenta a tua igreja”. É bom observar isso. A igreja é de Cristo!! Nós somos de Cristo! O primeiro aspecto já mostra isso. A igreja somos nós! E nós somos ungidos pelo Espírito de Cristo. Isso quer dizer: o Espírito de Cristo habita em nós; somos de Cristo, pertencemos a Cristo.

O Artigo 27 da Confissão Belga fala sobre a igreja e diz: Cremos e confessamos uma só igreja católica ou universal. Ela é uma santa congregação e assembléia dos verdadeiros crentes em Cristo, que esperam toda a sua salvação de Jesus Cristo, lavados pelo seu sangue, santificados e selados pelo Espírito Santo... Para ler mais, clique aqui.