Skip to content

Berichten getagd ‘Santa Ceia’

O homem perdeu a imagem de Deus

T: Rm. 8, 1-17        

L: Catecismo Domingo 3                             

 

Forma da Sta. Ceia durante todo o ano:

“Cristo nos mandou celebrar esta ceia em sua memória. Nesta mesa nós lembramos que, por seu sofrimento e morte, Cristo nos conquistou o Espírito vivificante. Através deste Espírito nós somos unidos com Ele e recebemos todos os seus benefícios; através deste Espírito somos renovados conforme o exemplo de Cristo, que é a imagem de Deus.”

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

 

O nosso Senhor Jesus Cristo instituiu a Santa Ceia e mandou os seus discípulos a administrar este sacramento regularmente. A Santa Ceia não é uma opção, mas um mandamento. Existe uma necessidade de celebrar a Santa Ceia. Esta necessidade é a nossa miséria. A Santa Ceia nos ensina que existe uma luz no final do túnel. A Santa Ceia nos aponta a luz do mundo, O Cristo Jesus.

Mas não são todos que veem esta luz. Está escrito em 2 Co. 4,4: “O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”. Uma pessoa deve ser iluminada por Deus mesmo, como diz o vs. 6: “Pois Deus, que disse: “Das trevas resplandeça a luz”, ele mesmo brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo”.

O Espírito de Deus nos deu este conhecimento: através da pregação da Palavra de Deus, e também através dos sacramentos. O Espírito de Deus nos une com Cristo e nos renova conforme a imagem dEle.  É importante saber disso, pois só aqueles que são renovados conforme a imagem de Cristo podem participar da Santa Ceia. O tema do sermão é esse:

 

SÓ AQUELES QUE SÃO RENOVADOS CONFORME A IMAGEM DE DEUS PODEM PARTICIPAR DA SANTA CEIA.

  • DEUS CRIOU O HOMEM CONFORME A SUA IMAGEM;
  • MAS O HOMEM SE VIROU E MANIFESTA A IMAGEM DE SATANÁS;
  • DEUS RENOVA O HOMEM CONFORME A SUA IMAGEM ATRAVÉS DO ESPÍRITO SANTO;

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

 

Existem muitas ideias e pensamentos sobre a doutrina de que o homem é criado conforme a imagem de Deus. A bíblia fala sobre isso logo no início, em Gênesis 1, 26-27, onde está escrito: Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança. Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os grandes animais de toda terra e sobre todos os pequenos animais que se movem rente ao chão. Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou”.

Como eu já disse: existem muitas ideias e interpretações sobre estas palavras. Uma dessas ideias, que se tornou muito popular, é a ideia de Michelangelo. Michelangelo foi um pintor que vivia na época de Lutero e João Calvino. Ele pintou a capela do Vaticano em Roma. E um dos desenhos é uma pintura da criação do homem [mostrar o slide].

Deus criou o homem conforme a sua imagem. Michelangelo interpretou...Para ler mais, clique aqui.

Isto é o meu corpo, que é dado por vós: A Santa Ceia

Leitura: Domingo 29 CdH

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

 

Um dos primeiros reformadores foi Guillaume (Guilherme) Farel. Um homem com uma barba vermelha, que pregava principalmente na Suíça e Genebra, antes de João Calvino. Eles o chamaram “O Elias dos Alpes”. Ele andava pelas montanhas e pregava em cada cidade. Ele falou com as pessoas e discutiu com os padres. Às vezes recebia uma pancada, e uma vez ele quase foi assassinado. Mas ele continuou: em todo canto ele pregou o evangelho sobre Jesus Cristo. Só o sacrifício de Jesus Cristo nos salva.

Uma vez ele passou pela cidade de Vallagin. Foi num domingo. Os membros da congregação Católica se reuniram na igreja. Os bancos estavam cheios com os membros que ouviam as palavras latinas do padre. Outras rezavam com o rosário na mão. A porta atrás se abriu. Um homem entrou. Calmamente ele andou ao lado direito da igreja e ficou lá, olhando.

O padre continuou com o seu trabalho. Ele estava atrás do altar celebrando a missa. “Sanctus, sanctus, sanctus”, ele cantou. “Dominus Deus Sabaaoth”. E três vezes tocou a campainha. Todos os crentes se ajoelharam. O padre pegou um pedacinho do pão nas mãos, o levantou e disse: “Hoc est corpus meum”. E depois disso ele fez uma reverência, por conforme a doutrina da igreja Católica o pão tinha sido transformado no corpo de Cristo. De novo tocou a campainha. Agora todos os crentes baixaram a cabeça e fizeram uma cruz, adorando a hóstia. Deus estava no meio deles.

Naquele momento, o estrangeiro com a barba vermelha andou para a frente e disse em alta voz: “Esta hóstia, que vocês estão adorando, não é Deus, mas um pedacinho de pão, feito de trigo e água”. Todos se “esfriaram”, levantaram a...Para ler mais, clique aqui.

O cristão e a participação na Santa Ceia.

Texto: João 6, 46-56           

Leitura: Domingo 28 CdH

 

Amada congregação do nosso Senhor Jesus Cristo,

[Próximo ano, 2013], é o ano em que o nosso Catecismo completa [quatrocentos e cinquenta (450) anos.] Foi no dia 19 de janeiro que o Catecismo nasceu em Heidelberg e foi oferecido ao príncipe Frederico, o governador do Palatinado, um dos estados da Alemanha.

Os governadores dos outros estados não reagiram com muito entusiasmo quando receberam um exemplar do Catecismo. Eles eram luteranos, e quando leram o Catecismo eles descobriram que o governador do Palatinado não era mais um luterano como eles; ele se tornou mais como João Calvino.

Eles escreveram uma carta, em que disseram:

“Nós sabemos pela Graça de Deus que o Zwinglianismo e o Calvinismo, especialmente a respeito da Santa Ceia, são um erro maldito e sedutor, que contradiz diretamente as sagradas escrituras.”.

Então, estes governadores reagiram como o próprio Lutero, que rejeitou as ideias de Zwingli e Calvino a respeito da Santa Ceia.

Uns vinte anos antes da edição do Catecismo de Heidelberg, os Grandes Reformadores – Lutero, Melanchton, Zwingli, Calvino e outros – tinham organizado uma conferência, onde eles se encontraram para ver se podiam se aproximar mais. Cada um explicou o que achou da doutrina da Santa Ceia. Lutero enfatizou o fato de que Cristo estava presente na Santa Ceia com seu corpo e sangue, porque o corpo de Cristo se tornou divino e onipresente. Mas Zwingli enfatizava que o corpo de Cristo subiu ao céu e ficará lá até o dia da sua volta; o corpo de Cristo não está presente na santa ceia.

Sabemos que Lutero não gostou desta resposta, e enquanto Zwingli estava falando sobre isso, Lutero gravou com uma faca na mesa: hoc est corpo mihi = isto é meu corpo oferecido ...Para ler mais, clique aqui.

Os sacramentos são sinais das promessas de Deus.

T: Efésios 5, 4-33

L: Domingo 25 CdH

             

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Nas semanas que vêm quero pregar sobre OS SACRAMENTOS: o batismo e a santa-ceia. É bom falar sobre o uso certo dos sacramentos, pois existem muitas diferenças entre as igrejas a respeito disso. A Igreja Católica trata os sacramentos como se tivessem um poder mágico; as Pentecostais desprezam os sacramentos; há ogrejas evangélicas que se recusam a usá-los, dizendo que não precisamos deles; o Exército da Salvação, que trabalha muito na área social, no meio dos pobres, não administra os sacramentos; não querem saber de nada sobre isso, pois acham que os sacramentos causaram muitas brigas entre as igrejas e entre os crentes.

E neste ponto eles têm razão, mas o problema não está nos santos sacramentos que Cristo nos deu, e sim nas pessoas impuras, que desprezaram as coisas santas. O sacramento é bom, mas muitas pessoas o tratam mal. Deus nos deu os sacramentos e devemos honrá-los; e faremos isso se entendermos POR QUE Deus nos deu estes sacramentos.

Vou mostrar isso com um exemplo simples que todo mundo pode entender. Vou comparar o sacramento com um anel. O anel de casamento. Este anel tem um certo valor. Não estou falando sobre o valor de ouro desse anel; pois ele vale mais do que o ouro pode me dar. Este anel é um SINAL e um SELO da aliança que foi feita entre mim e a minha esposa. No dia do nosso casamento fizemos uma aliança. Eu e ela. E nós fizemos promessas naquele dia. Prometi ser fiel a ela. Em todos os dias da minha vida. Nos dias bons e nos dias ruins. Na riqueza e na pobreza. Na saúde e na doença. Este anel me lembra daquele momento, pois dentro dele está gravado o nome da minha esposa, o dia do nosso noivado e o dia do nosso casamento.

Assim o anel funciona com um SINAL. O anel me lembra do dia do meu casamento. O anel me lembra das promessas da minha esposa; me lembra do amor dela. Um sinal e um SELO; pois no fim da cerimônia nós trocamos os anéis. Eu dei um a ela e ela me deu outro igual. Dois anéis iguais que fecharam e marcaram a cerimônia da nossa aliança.

Agora, irmãos, uma pergunta. Por que os casais trocam anéis? Não pode fazer essa cerimônia sem anéis? Sim, pode! Mas todo mundo vai sentir falta da troca de anéis, pois o anel tem um certo valor. Um casamento sem anel é como uma festa sem bolo. Um churrasco sem carne. Faz parte do casamento. O anel é o SINAL e o SELO do casamento.

Pois se um homem vai passear sozinho e, antes disso, ele tira o anel e o coloca em sua carteira, todo mundo vai pensar algo. Por que ele não quer andar com es...Para ler mais, clique aqui

Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros como eu vos amei

Texto: João 15: 12-17

Leitura: João 15: 1-17

 

O capítulo 15 do Evangelho de João é um dos bonitos textos da Bíblia que explica muito bem como somos unidos com Jesus Cristo em amor fraternal, como membros de um só corpo; e como devemos mostrar este amor uns aos outros. Jesus Cristo mesmo explicou isso aos seus discípulos. Ele usou o exemplo de uma videira e disse:

“Eu sou a verdadeira videira. [-] Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim e eu nele produz muitos frutos; porque, sem mim, nada podeis fazer”.

“Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim”.

O exemplo que Jesus usa é simples e poderoso. É bem claro o que ele quer dizer. Temos a vida só em comunhão com ele; e podemos produzir frutos só em comunhão com ele. Esta metáfora enfatiza A COMUNHÃO com Cristo. Como na Santa Ceia. A Santa Ceia nos mostra também a comunhão com Cristo.

Aqui na mesa temos comunhão com o sacrifício de Cristo na cruz.

Aqui na mesa compartilhamos a benção da cruz: o perdão dos nossos pecados. Aqui na mesa sentimos o amor de Cristo, que ofereceu a sua vida por nós. Como ele mesmo disse em vs. 13: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos”. Cristo fez isso. Ele nos mostrou o seu amor. E ele quer que sejamos infectados pelo seu amor.

O amor de Cristo deve dominar a nossa vida;

O amor de Cristo deve governar os nossos atos;

O amor de Cristo deve produzir frutos na nossa vida. Frutos de amor. Uvas de amor.

Isso DEVE ser assim. Pois o Senhor do AMOR manda...Para ler mais, clique aqui.

Um descrente pode participar da Santa-Ceia?

Texto: João 13, 26

Leitura: Conf. Belga art. 35 Santa Ceia

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Um incrédulo pode participar da santa ceia? E se por acaso participar, ele receberá a remissão dos seus pecados? Essa pergunta foi uma questão "quente" no século 16, na época da reforma. A pergunta surgiu observando o papel de Judas na Santa Ceia com Jesus.

Judas participou da Santa Ceia? E se participou, ele recebeu a remissão dos pecados?

Essa pergunta dividiu os crentes em dois grupos; Num lado houve um grupo que disse que Judas não participou da santa ceia; ele participou da ceia da Páscoa e num certo momento ele saiu; depois disso Jesus instituiu a santa ceia. Eles usam o evangelho de Mateus e Marcos para defender essa posição. Ali está escrito: (ler Mt. 26:20-30).

Mt. 26:20-25: o traidor indicado; Mt. 26: 26-30: instituição da Santa Ceia;

Mc. 14;17-21: o traidor indicado;Mc 14: 22-26: instituição da Santa Ceia;

Mateus e Marcos indicam no primeiro lugar o traidor e falam depois sobre a instituição da Santa Ceia; Mateus dá a impressão que Judas saiu antes da instituição da Santa Ceia, mas ele não disse isso claramente.

O outro grupo não concordou com isso e apontou para o evangelho de Lucas e João.

Lc. 22: 19-23: instituição da Santa ceia; vs. 21: a mão do traidor está comigo na mesa!!!

Lucas diz claramente que a mão do traidor está na mesa da santa ceia.  E sabendo disso, podemos também apontar para o evangelho de João. João 13, 21-30: administração da Santa Ceia; vs. 26: Judas recebeu o pedaço de pão! Então podemos dizer que Judas participou da Santa Ceia. Então vamos repetir a nossa pergunta: E se participou, ele recebeu a remissão dos pecados?

A resposta à esta pergunta tem a ver com o caráter da Santa Ceia sendo um sacramento...Para ler mais, clique aqui.

Eu sou a porta, quem entrar por mim será salvo.

Texto: João 10, 9

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Entramos no ano novo. Estamos entrando pela porta do ano (.......). Esta porta é o mês de Janeiro. O nome “Janeiro” vem de uma palavra latina “IANUA”. “Ianua” quer dizer “porta”. Eles chamaram o primeiro mês do ano de “Janeiro”, pois este mês é a porta pela qual entramos no ano novo.

Pensando nisso, me lembrei que Jesus disse: “Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo.” Jesus é a porta. Claro, ele não é uma verdadeira porta, mas ele usa uma metáfora. “Eu sou a porta”, ele disse. A porta salva. Quem será salvo são as ovelhas; A porta protege as ovelhas contra os perigos que estão fora da porta. Isso é o ponto da comparação neste capitulo.  Pois num lado Jesus disse: “Eu sou a porta”. E no outro lado ele disse: “Eu sou o bom pastor”. São duas coisas diferentes: O bom pastor E a porta. Mas os dois têm um ponto em comum: OS DOIS PROTEGEM AS OVELHAS.

A porta protege as ovelhas, quando estão no aprisco;

O bom pastor protege as ovelhas, quando estão no campo.

Como é a situação de um pastor com ovelhas. Normalmente ele leva as ovelhas para fora, buscando comida e água. Pense em Salmo 23. Mas no fim do dia; ou no fim da semana, ele volta para casa e as ovelhas ficam no aprisco. Este aprisco é um lugar fechado por muralhas e com uma porta. No começo do dia o Pastor vem e o porteiro abre a porta e o pastor chama as suas ovelhas. Elas conhecem a voz do pastor e o segue.

Podemos comparar a porta do aprisco também com a porta de uma cidade.

A cidade é um lugar seguro...Para ler mais, clique aqui.

A alegria de Maria; preparação para o Natal e Santa Ceia

Texto: Lucas 1, 28-29                                 

Leitura: Lucas 1, 26-38

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Houve uma explosão de alegria em Israel quando Cristo nasceu.

Observando as reações das pessoas que foram testemunhas do nascimento de Jesus Cristo, devemos dizer que elas estavam cheias de alegria.

  • A velha Ana pulou de alegria quando viu o menino Jesus no templo (Luc. 2,38);
  • O velho Simeão pegou o menino nos seus braços e louvou a Deus (Luc. 2,28);
  • Os pastores voltaram para o rebanho, depois da visita, glorificando e louvando a Deus (Luc. 2,20);
  • Os Anjos cantaram cheios de alegria (Luc. 2,13);
  • Zacarias se alegrou conhecendo o plano de Deus (Luc. 1,68);
  • Isabel estava alegre com a misericórdia do Senhor (Luc. 1,58);
  • O bebê Joãozinho estremeceu de alegria ainda na barriga de Isabel (Luc. 1,44);
  • Maria estava alegre e cantou: a minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus (Luc. 1,46);

Todos estavam alegres. E por quê? O anjo Gabriel explicou este porquê, pois ele iniciou esta onda de alegria. Ele chegou à casa de Maria e lhe disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”. Estas palavras explicam exatamente o motivo da alegria, que encontramos na Bíblia não somente na época em que Jesus nasceu, mas também antes e depois disso. A Bíblia nos mostra que a presença de Deus é um motivo de grande alegria para os crentes.

Assim era no Paraíso (Is. 51,3), onde o Senhor andava com Adão;

Assim era no Templo (Is. 12,6), onde o Senhor habitava no meio do seu povo;

Assim será no futuro, na nova Jerusalém (Is. 65,17-19), onde Deus estará no meio do seu povo. E assim será também na época Messiânica, quando o Senhor estará no meio do seu povo.

Isaías falou sobre isso em Isaías 11 e 61 e deixou bem claro que o Messias traria...Para ler mais, clique aqui.

Feliz é aquele que não se escandaliza com a cruz de Cristo.

Texto: Mateus 26, 31-35

Leitura: 1 Cor. 1, 18-25

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Acabamos de cantar um hino que diz:

 

“Sim, eu amo a mensagem da cruz.

Seu triunfo meu gozo será!

Pois um dia em lugar de uma cruz

A coroa Jesus me dará!” 

 

Este hino é muito profundo. Tão profundo, que me pergunto se realmente todos entendem o que ele quer dizer. Qual é a mensagem da cruz? O que ela quer nos ensinar? A vitória e a glória OU a derrota e o desprezo? O hino fala sobre isso, porque ele começa dizendo: Rude cruz se erigiu; dela o dia fugiu como emblema de vergonha e dor. A cruz é um símbolo de vergonha e dor; é uma loucura! Uma pedra de tropeço para os que se perdem; e um escândalo para os judeus.

Tem muitas pessoas neste mundo que tem um crucifixo na parede; outras pessoas andam com uma pequena cruz no peito. Com certeza, elas afirmarão como nós: Sim, eu amo a mensagem da cruz! Mas, mais uma vez eu pergunto: será que elas a entendem bem?

E vocês, irmãos? Vocês chegaram aqui na igreja e se preparam para comemorar a santa ceia hoje de manhã, e com certeza vocês afirmarão também: Sim, eu amo a mensagem da cruz! E mais uma vez eu lhes pergunto: vocês realmente entendem qual é esta mensagem? Às vezes nós podemos cantar um hino sem entender o que ele quer dizer! Às vezes podemos confessar o nosso amor sem entender as consequências da nossa declaração. Temos um bom exemplo disso na bíblia. Um exemplo que nos deixa pensativos. Encontramos este exemplo em Mateus 26: 31-35.

[Vamos ler esta história!]

“Então, Jesus lhes disse: Esta noite, todos vós vos escandalizareis comigo;

Porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho ... Para ler mais, clique aqui.

Jesus Cristo é o Filho do Homem

Texto: Daniel 7, 13-14             

Leitura: Mateus 16,13-20 + Domingo 11 CdH

 

Cristo nos mandou celebrar esta ceia em sua memória. Nesta mesa nós lembramos que nosso Senhor se tornou homem para carregar a ira de Deus e para salvar o seu povo; O Novo Testamento mostra isso em vários lugares. Jesus Cristo falou sobre a nossa salvação e em vários momentos ele fez uma conexão com a profecia de Daniel 7 sobre o Filho do Homem. O Filho do Homem veio para buscar e salvar o perdido. Jesus disse isso em Lucas 19,10, após a conversão de Zaqueu, o publicano. E em outra ocasião Jesus disse (Mt 17, 22):  O Filho do Homem está para ser entregue nas mãos dos homens; e estes o matarão; mas ao terceiro dia, ressuscitará.

Quando nós ouvimos essas palavras da boca de Jesus, nós temos a impressão de que Ele se identificou como este ‘Filho do Homem’. Mas em nenhum lugar Jesus disse claramente: Eu sou o Filho do Homem! Ele até perguntou os seus discípulos (Mt 16:13etc): Quem diz o povo ser o Filho do Homem? E eles responderam: Uns dizem: João Batista; outros: Elias; e outros: Jeremias ou alguns dos profetas. E logo depois ele lhes perguntou: “Mas vós, quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro respondeu: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo”. Então, nem o povo, nem os discípulos, identificaram Jesus com a figura que Daniel viu em seus sonhos. Então, quem é este ‘filho do homem’ que Daniel viu e Jesus apontou como Salvador?

Vamos voltar para a profecia de Daniel para refrescar a nossa memória. O que Daniel viu. Vamos ler Daniel 7,13-14: “Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do Homem, e dirigiu-se... Para ler mais, clique aqui.

O amor de Deus; preparação para a Santa Ceia

Texto: Oséias 11: 1-9               

Leitura: Romanos 8: 31 até 9: 16

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

A palavra de Deus que vamos ouvir não é somente uma boa palavra para todos os pais e filhos, mas para toda a congregação. Esta palavra pode ser usada para mostrar como devemos amar os nossos filhos e como devemos respeitar os nossos pais. Mas, também, esta palavra nos mostra como Deus é o nosso Pai. E assim Ele é um exemplo para todos os pais. Mas essa não é a mensagem principal. Em primeiro lugar vamos falar sobre o Amor de Deus, pois essa é a mensagem principal deste texto. O Amor de Deus, o nosso Pai Celestial.

 

E assim o nosso texto tem uma forte conexão com Salmo 103.

O Senhor é misericordioso e compassivo; longânimo e assaz benigno;

Não repreende perpetuamente, nem conserva para sempre a sua ira.

Não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui consoante as nossas iniquidades. Pois quanto o céu se alteia em cima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem.

Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões. Como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece dos que o temem”.

Sabemos que este Salmo está ligado com a celebração da Santa Ceia. Na semana que vem vamos celebrar a Santa Ceia. Vamos nos preparar para isso! E por causa disso queria pregar este texto, que fala especialmente sobre o amor de Deus.

O amor do nosso Pai celeste prevalece apesar da afronta dos seus filhos

Deus: um Pai misericordioso

Em vários lugares do Antigo Testamento Deus é chamado de ‘Pai’. O capítulo 11 de Oséias é talvez o testemunho mais forte disso. Fica muito claro, em tudo, que Deus é Pai. E que Pai ele é! Ele é um Pai que ama, um Pai que ama além do nosso entendimento. Olhando as colocações do profeta Oséias dá para sentir que Deus é um Pai paciente, carinhoso e amoroso. Ainda quando o seu filho era criança, Deus o amou (Oséias 11: 1).

Esse filho é o seu povo, o qual ele chama carinhosamente, em Oséias 11: 7: “o meu povo”. O povo de Israel é o povo escolhido e chamado por Deus, o povo da aliança (Oséias 11: 1). Deus chamou seu povo do Egito, para tirá-lo da escravidão e para pô-lo em ... Para ler mais, clique aqui.

Um banquete com carnes gordurosas e vinhos excelentes.

 

Texto: Isaías 25, 6-9               

Leitura: Apocalipse 19

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

 

O nosso texto é um pouco complicado; mas não porque ele é escuro ou difícil, de jeito nenhum. O texto é muito claro e fala diretamente sobre o banquete abundante que o Senhor organizará no final dos tempos. Um banquete grande e chique com muitos convidados e com muitos vinhos excelentes e carnes gordurosas. Ele é complicado devido a esses detalhes, que deixam muitas pessoas com dúvidas.

Li vários comentários sobre este texto: alguns não sabem dizer nada sobre ele e simplesmente pulam o assunto, outros não acreditam no que está escrito e dizem que o profeta usa uma metáfora. Quer dizer: não haverá tal banquete no futuro, nem carnes gordurosas, nem vinhos velhos. A profecia de Isaías é uma visão, que não combina com a realidade; assim muitas pessoas trataram o versículo 6. Mas quando devem falar a respeito do versículo 7, sobre a destruição da morte, elas não têm nenhum problema em dizer que isso vai acontecer, sim. Algumas pessoas acreditam, sim, na destruição da morte e na ressurreição da carne, mas não acreditam no banquete do Senhor, o qual estará preparado para todos os povos.

Um banquete com carnes gordurosas e com vinhos excelentes parece vulgar. As pessoas não acreditam que isso pode acontecer. O Senhor não fará isso, elas dizem! Mas eu lhe pergunto: será? A profecia de Isaías fala sobre o que acontecerá no futuro na Nova Terra. Fala sobre a morte e a destruição da morte, e fala também concretamente sobre o banquete do Senhor. Ambas as coisas acontecerão no futuro e o Apocalipse de João confirma isso.

Apocalipse 19 fala sobre o banquete do Senhor, e Apocalipse 20 fala sobre a destruição da morte; e finalmente experimentaremos a ... Para ler mais, clique aqui.

Nós usamos cookies!

Ao utilizar este site, você concorda que este site coloca cookies no seu dispositivo. Um cookie é um pequeno arquivo de texto que o site usa para fazer a função do website e tornar sua visita eficiente.

Clique no contrato para um site totalmente funcional ou veja os detalhes na página de detalhes antes de concordar.

Scroll To Top