Texto: Apocalipse 1, 4-8


Queridos irmãos em Jesus Cristo,

“Cristo nos mandou celebrar esta ceia em sua memória. Nesta mesa nós lembramos que o nosso Senhor subiu ao céu e nos deu a Santa Ceia em memória dele, para que não nos apegarmos aos sinais de pão e vinho, mas levantarmos os nossos corações a Jesus Cristo, que está sentado a direita do Deus Pai. A bíblia nos mostra isso claramente. Como por exemplo no livro de Apocalipse. Quero ler Apoc. 1, 4-8: João, às sete igrejas que se encontram na Ásia, graça e paz a vós outros, da parte daquele que é, que era e que há de vir, da parte dos sete Espíritos que se acham diante do seu trono e da parte de Jesus Cristo, a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos e o Soberano do reis da terra. Àquele que nós ama, e, pelo seu sangue, nos libertou dos nossos pecados, e nos constituiu reino , sacerdotes para o seu Deus e Pai, a ele a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém! Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até quantos o traspassaram. E todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Certamente. Amém! Eu sou o Alfa e Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, que há de vir, o Todo-Poderoso.

Hoje quero lhes pregar sobre:

A Santa Ceia é uma ceia em memória de Cristo

1. Cristo na cruz
2. Cristo na sua vitória
3. Cristo na sua glória;

1. Cristo na cruz.

“Faça isso em memória de mim”, disse Jesus na noite em que foi traído, um pouco antes de morrer na cruz. “Faça isso em memória de mim”. Jesus disse isso, pois sabia que ia morrer. Sabia também a importância da sua morte. Jesus ia morrer como substituto; em lugar do seu povo; Jesus devia morrer para salvar o seu povo. Jesus sabia a importância da sua morte na cruz. E ele quis que nós também conhecêssemos a importância da morte dele. Por causa disso Jesus instituiu a Santa Ceia. A Santa Ceia é uma mesa simbólica com somente pão e vinho na mesa. E este pão e o vinho têm um sentido simbólico...Para ler mais, clique aqui.

Leitura: Mt. 5, 43-48; Atos 3, 14-19

Texto: Lucas 23, 34

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

 

[Faz uma semana] que o caso do casal Nardoni, que matou a sua filha Isabella, estava no centro da atenção em todo Brasil. Talvez vocês assistiram o processo. Quem assistiu, deve se lembrar que houve um momento em que um pastor Pentecostal apareceu em frente ao Fórum gritando “Jesus perdoará o casal Nardoni”. 

Não sei exatamente como este pastor chegou a essa conclusão, mas posso imaginar que ele pensou no texto que vamos tratar hoje à noite. Na Sexta-Feira Santa, Jesus olhou para as pessoas que o condenaram a morte e penduraram na cruz e ele disse: Pai perdoa-lhes: pois não sabem o que estão fazendo. Pode ser que o pastor pensou naquelas palavras de Jesus quando ele gritou: “Jesus perdoará o casal Nardoni”. Jesus perdoou o povo que o assassinou, então com certeza perdoará também o casal Nardoni, que assassinou a sua filha.

Irmãos, nós não podemos usar essas palavras de Jesus assim. Essas palavras não significam um ‘perdão geral’ para todos os assassinos, nem ‘um perdão particular’ para esse casal. Porque, em primeiro lugar, nós não podemos dizer que eles não sabiam o que estavam fazendo! Eles sabiam muito bem, porque até tentaram esconder as provas do seu crime; e, em segundo lugar, nós não podemos usar essas palavras, porque são palavras particulares de Jesus; palavras especiais, faladas num momento especial na história da Salvação. Temos que observar a história da Salvação, para descobrir o verdadeiro sentido dessa oração.

Já disse: o momento é especial! Ou, até melhor: a crucificação de Jesus é um momento único na história desse mundo. A história desse mundo mudou definitivamente depois da Sexta-Feira Santa.

Muitas coisas aconteceram na semana santa. A semana começou com a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém (Lc. 19). Logo depois...Para ler mais, clique aqui.

Texto: Gálatas 3: 13

Leitura: Gálatas 2: 15 até 3: 13

Amados irmãos em Jesus Cristo,

Cristo nos mandou celebrar a Santa Ceia em sua memória. Nesta mesa nós lembramos que o Senhor deu a sua vida na cruz para salvar todos que creem nele. Gálatas 3:13 Fala sobre isso. Lá está escrito: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”. Este texto fala PROFETICAMENTE: Sobre Jesus Cristo e sobre nós.

 

Este texto nos ensina:

1) Que NÓS somos malditos;

2) Que Cristo nos resgatou da maldição;

3) COMO Cristo nos resgatou da maldição;

 

Devemos ler o contexto para entender isso melhor: (Gálatas 2:15-21; 3:10-13). Irmãos! É claro que, neste trecho, o apóstolo fala sobre a VERDADEIRA JUSTIFICAÇÃO. Como somos justos perante Deus? Pelas boas obras da lei ou pela fé? Pela própria força ou pela graça? Pelas MINHAS boas obras ou pela boa obra de JESUS CRISTO? Com certeza todo mundo aqui vai dizer: Pela boa obra de Jesus Cristo! Isso é claro! E isso é verdade! Mas durante muito tempo isso não foi tão claro. Muitas religiões enfatizam que o homem deve se salvar pelas suas boas obras; o homem mesmo PODE e DEVE lutar por isso. Os Judeus pensam assim, e os muçulmanos, e os budistas. Todas estas religiões enfatizam a justificação do homem por suas boas obras.

E houve também na igreja cristã pessoas que pensavam assim: o crente deve fazer boas obras. Ele deve seguir o exemplo de Cristo. Cristo se salvou pelas boas obras. Nós devemos imitar a Cristo. Esta ideia é muito forte na Igreja de Roma; há pessoas que imitam a Cristo, até se deixam crucificar, pensando que isso vai ajudá-los perante Deus. Mas é assim, irmãos? O jejum na Quaresma, e todas as regras na Sexta-feira Santa vão contar para minha justificação? Não varrer a casa, não pentear os cabelos, não olhar no espelho, não comer carne; devemos seguir todas estas regras para nos justificar perante Deus? Há pessoas que pensam nisso!...Para ler mais, clique aqui

T: João 18, 33 – 19, 16

L: Domingo 15 CdH

             

Amada congregação do Senhor Jesus Cristo,

 

Cada país e cada região tem seus próprios costumes e tradições para relembrar a morte de Cristo. Por exemplo, existe em Pernambuco o costume de relembrar a morte de Cristo através de um grande espetáculo de teatro (Paixão de Cristo). É uma das maiores peças de teatro do mundo, onde atores famosos procuram imitar as emoções dos sofrimentos de Cristo.

Nas Filipinas, o povo vai mais longe. Eles erigem várias cruzes, e voluntários se oferecem para serem crucificados. As mãos deles são furadas com pregos, e durante umas horas as pessoas ficam penduradas nas cruzes. Assim são feitos vários espetáculos para relembrar a morte de Cristo. As multidões ficam emocionadas.

E a loucura não tem limites. Surgem até pessoas que dizem ser o Cristo. Talvez os irmãos já tenham ouvido de uma pessoa que apareceu num programa sensacionalista de televisão, mostrando as cicatrizes de suas mãos, que tinham sido furadas. Aquela pessoa afirmava ser o Cristo. Assim aconteceu o que o próprio Senhor Jesus já tinha predito: “Aparecerão falsos cristos” (Mt. 24, 23-24).

Mas, irmãos, falando da morte de Cristo, o que seria o mais importante? Será que o mais importante é ter conhecimento dos acontecimentos? Ou será que devemos valorizar, antes de mais nada, as emoções comoventes?

Neste momento é bom vermos o que a antiga igreja cristã confessou a respeito da morte de Cristo no Credo Apostólico. Os irmãos dos primeiros séculos confessaram o seguinte: “Cristo padeceu sob Pôncio Pilatos. Ele foi crucificado.”. Só isto! A antiga igreja se contentou em apenas mencionar que o Senhor Jesus morreu sob o governador Pôncio Pilatos, e que o meio de sua morte foi a crucificação. Esta confissão...Para ler mais, clique aqui.

Texto: Luc. 9, 18-22

Leitura: 1 Cor. 1,18 – 2,5

 

Queridos irmãos e irmãs em Cristo,

Quem pode me dizer qual é o símbolo da igreja Cristã? Pois é, A CRUZ!

O sofrimento e a morte de Jesus Cristo na cruz foram os momentos mais importantes na vida da igreja. Pela CRUZ Cristo conseguiu a remissão dos nossos pecados; Pela CRUZ Cristo estabeleceu a nossa salvação.  É como o apostolo Paulo escreveu em 1 Cor. 2,2: “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este CRUCIFICADO.”

E ele disse também (1 Cor. 1,18): “Pois a palavra da cruz é loucura para os que perecem, mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. E por causa disso (vs. 23) Paulo pregou o Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os gregos.

Neste trecho Paulo está dizendo que o coração da nossa fé é a doutrina da cruz; quem quer conhecer a Cristo deve entender o significado da morte dele; deve conhecer a importância da cruz. Muitas pessoas não entendem. Há pessoas que estão andando com um crucifixo no pescoço sem saber o que isso quer dizer. Por que Cristo morreu na cruz? Por que ele mesmo se entregou para morrer assim? Por que ele foi para Jerusalém, SABENDO o que ia acontecer ali? Ele poderia ter dito: não quero isso! Ele poderia desistir, mas ele não fez isso. Por que não?

Talvez você saiba a resposta, talvez não... Muitas pessoas que visitam regularmente a igreja sabem explicar mais ou menos o motivo de Cristo. Por que Ele fez isso. Mas saber, às vezes, não quer dizer entender; Há pessoas que sabem que Jesus Cristo sofreu e morreu, mas elas não querem seguir a Cristo neste caminho. Elas não entendem as palavras de Cristo, que disse que cada...Para ler mais, clique aqui.

Texto: Mateus 26, 31-35

Leitura: 1 Cor. 1, 18-25

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Acabamos de cantar um hino que diz:

 

“Sim, eu amo a mensagem da cruz.

Seu triunfo meu gozo será!

Pois um dia em lugar de uma cruz

A coroa Jesus me dará!” 

 

Este hino é muito profundo. Tão profundo, que me pergunto se realmente todos entendem o que ele quer dizer. Qual é a mensagem da cruz? O que ela quer nos ensinar? A vitória e a glória OU a derrota e o desprezo? O hino fala sobre isso, porque ele começa dizendo: Rude cruz se erigiu; dela o dia fugiu como emblema de vergonha e dor. A cruz é um símbolo de vergonha e dor; é uma loucura! Uma pedra de tropeço para os que se perdem; e um escândalo para os judeus.

Tem muitas pessoas neste mundo que tem um crucifixo na parede; outras pessoas andam com uma pequena cruz no peito. Com certeza, elas afirmarão como nós: Sim, eu amo a mensagem da cruz! Mas, mais uma vez eu pergunto: será que elas a entendem bem?

E vocês, irmãos? Vocês chegaram aqui na igreja e se preparam para comemorar a santa ceia hoje de manhã, e com certeza vocês afirmarão também: Sim, eu amo a mensagem da cruz! E mais uma vez eu lhes pergunto: vocês realmente entendem qual é esta mensagem? Às vezes nós podemos cantar um hino sem entender o que ele quer dizer! Às vezes podemos confessar o nosso amor sem entender as consequências da nossa declaração. Temos um bom exemplo disso na bíblia. Um exemplo que nos deixa pensativos. Encontramos este exemplo em Mateus 26: 31-35.

[Vamos ler esta história!]

“Então, Jesus lhes disse: Esta noite, todos vós vos escandalizareis comigo;

Porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho ... Para ler mais, clique aqui.