L.: Lc. 24, 1-12 / 2 Co. 4, 1-16

T.: 2 Co. 4, 14

 

Queridos irmãos e irmãs,

Amados visitantes!

 

Hoje é o dia de Páscoa. Este dia é uma festa para a igreja cristã. A festa da vida. No dia da Páscoa a igreja comemora que Cristo venceu a morte: ele foi ressuscitado e está vivo até agora. A igreja espalha a luz de Cristo. O brilho da Páscoa se espalha num mundo que está em trevas, nas cidades assombradas; especialmente hoje em dia. Não é assim, irmãos? Nós vivemos numa situação em que a sombra da morte escureceu a vida de muitas pessoas. O mundo parou, as lojas estão fechadas, os hospitais estão cheios e as ruas estão desertas, as pessoas se esconderam em suas casas, pois estão com medo; o mundo está sendo aterrorizado pelo Corona Vírus. Mais de um milhão de pessoas já morreram no mundo inteiro por causa do vírus. O mundo está assombrado e muitas pessoas estão estressadas, oprimidas, perplexas, se sentem ameaçadas, e há pessoas que estão abatidas, deitadas na cama, com febre, tossindo e com problemas respiratórios, ansiosas, lutando pela vida.

 

Numa situação dessa, vamos ouvir o evangelho da boca do apóstolo Paulo, que também lutou pela sua vida. Ele sabe o que é sofrer. Ele sofreu muito, fisicamente e psicologicamente; esteve várias vezes à beira da morte, mas ele não perdeu o ânimo. O evangelho da Páscoa mudou a sua vida e fortaleceu a sua fé. Ele quer compartilhar isso conosco; ele quer que o evangelho da Páscoa mude a sua vida e fortaleça a sua fé. Ele não quer que fiquemos desanimados, mas que o evangelho da Páscoa nos anime e nos fortaleça neste período assombrado. Vamos ler a história dele, que encontramos em 2 Coríntios 4, 1-16 [leitura].

Um dos versículos mais importantes aqui é o versículo 14: Porque sabemos que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus dentre os mortos também nos ressuscitará com Jesus, e nos apresentará com vocês! Esse é o evangelho que deixou Paulo animado, e ele quer que nós sejamos assim também.

 

Tema: Paulo nos ensina que não devemos nos desanimar no dia da Páscoa.

  • A Páscoa mudou a fé de Paulo; (13)
  • A Páscoa mudou a vida de Paulo; (7-12)
  • A Páscoa mudou o futuro de Paulo (14);
  • A Páscoa muda também a nossa vida! (15)

 

Irmãos, irmãs, hoje temos tempo para pensar nas coisas que estão acontecendo. O mundo está parado, e nós também. Um momento de pausa, uma hora livre para assistir o culto online; um momento para meditar sobre o evangelho da Páscoa. A Páscoa tem a ver com a ressureição de Jesus Cristo! Por causa disso lemos o texto de Lucas 24, que fala sobre isso. Numa sexta-feira, Jesus morreu na cruz! Três dias depois, ele foi ressuscitado. Ele se levantou e apareceu aos seus discípulos. VIVO!...Para ler mais, clique aqui.

L.: Salmo 42+43

T.: Salmo 42+43

 

Queridos irmãos/irmãs,

 

Uma alma abatida e perturbada. Quem não reconhece isso hoje em dia?

A nossa situação se parece muito com a situação do autor do Salmo 42!

Ele está longe do templo, da casa de Deus, e sente saudades quando pensa na comunhão com o povo de Deus. Eu sinto isso também. Já há dois meses que estamos afastados da casa de Deus e vivemos distantes do povo da igreja. Eu sinto falta disso; sinto saudades, e sei que existem muitos irmãos que sentem a mesma coisa.

Almas abatidas e perturbadas. Perturbadas também, porque muitos se perguntam: Nós não devemos ter cultos no dia de domingo? Nós não temos que dar culto a Deus? Por que podemos ir, sim, para o supermercado, que às vezes está lotado, mas não podemos nos reunir na igreja para adorar a Deus e encontrar os irmãos? Vejo que muitos ficam perturbados por esse tipo de perguntas.

Almas perturbadas e abatidas, igual à alma do salmista.

O Salmista está perturbado, mas ele não perdeu a sua esperança.

Ele se lembra da casa de Deus; ele se lembra do altar da salvação; ele se lembra do amor de Deus e confia que seu Deus o ajuda, e por causa disso ele termina esse salmo com uma oração.

O Salmo é dividido em três estrofes. E cada estrofe termina com o mesmo refrão. O refrão diz:

Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei; a ele, a Salvação da minha face e Deus meu. O Salmista repete isso três vezes, então ele quer que nós aprendamos isso. Por isso escolhi o refrão como tema do sermão.

 

UMA ALMA PERTURBADA CONFIA EM SEU DEUS E ORA PARA QUE ELE A SALVE.

  • A PERTURBAÇÃO (1-4);
  • A ESPERANÇA (6-10);
  • A ORAÇÃO (43, 1-4)

 

A primeira parte falará sobre o motivo da sua perturbação. O autor está longe da casa de Deus e do povo de Deus. Veja o vs. 4. Ele tem boas lembranças de quando passava com a multidão de pessoas e as guiava em procissão à casa de Deus, entre gritos de alegria e louvor, multidão em festa.

Provavelmente a festa de Sukkot. Durante essa festa o povo ficava em cabanas feitas de folhas das árvores, para comemorar a época em que Israel passava pelo deserto. A festa de “Sukkot” é a festa por excelência em Israel. É uma verdadeira festa, com danças ... Para ler mais, clique aqui.

L.: Domingo 49 Catecismo [2020]

T.: Lc. 22, 39-46

 

Queridos irmãos e irmãs,

 

Nós vivemos em tempos difíceis. Estamos no meio de uma crise global, causada pelo Corona vírus. Nós nos parecemos com o povo de Israel, quando ainda estava no Egito, antes da instituição da Páscoa. Eles receberam de Deus a ordem de entrar em suas casas, fechar as portas e ficar em isolamento, para que o anjo da morte não entrasse em suas casas. Nós recebemos, também, a ordem de ficar isolados em nossas casas, para que o vírus não entre.

Então, estamos em tempos difíceis; Deus parou o mundo, para que o mundo abra os olhos e pense em sua fragilidade e procure o seu socorro em Deus, o Pai de Jesus Cristo. Este tempo de isolamento é, ao mesmo tempo, uma oportunidade para orar, meus irmãos! Procurar a Deus em oração. Jesus nos ensinou a orar. A dizer: Pai nosso, glorificado seja o teu nome, venha o teu reino, e seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu.

Hoje à noite vamos dar atenção à terceira petição:  Pai, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu! O que essa petição significa para nós? Nós sabemos que o próprio Jesus orou essa oração um pouco antes de morrer. Na noite em que foi traído, ele subiu ao Monte das Oliveiras para orar e disse: Pai, se queres, afaste de mim este cálice; contudo, não seja feita a minha vontade, mas a tua! 

Sabe, irmãos, estou curioso para saber como vocês entendem essa oração. Muitas pessoas, especialmente jovens, consideram essa oração como uma declaração de resignação. Um tipo de fatalismo. O que deve ser feito, deve ser feito, porque ninguém pode escapar do seu destino. Deus tem seu plano, e nós não... Para ler mais, clique aqui.

L.: Domingo 1 Catecismo [2020]

T.: Rm. 14, 7-9

 

Queridos irmãos,

Aqui no Nordeste existe um ditado que diz:

“Mais vale um amigo na praça do que dinheiro no bolso”.

Todo mundo conhece esse ditado e concorda com isso.

Pois assim funciona aqui na sociedade. É verdade!

“Mais vale um amigo na praça do que dinheiro no bolso”.

O que isso quer dizer?

 

Isso quer dizer que alguém pode ter um monte de dinheiro, mas isso não ajuda sempre.

Você não pode comprar tudo. Às vezes você precisa de ajuda, mas não consegue, porque as pessoas não estão interessadas em dinheiro. É melhor ter um amigo, um bom contato, que pode te ajudar.

Vou lhes dar um exemplo: Um tempo atrás, EU precisava de um médico, mas não conseguia marcar nada, porque todos estavam ocupados. Eu podia oferecer dinheiro, mas sabia que isso não ajudaria em nada. Continuei procurando, até encontrar um bom amigo que tinha contatos, e ele contatou alguém e conseguiu uma vaga, de maneira que o médico podia me atender. Assim eu aprendi essa verdade aqui: “Mais vale um amigo na praça do que dinheiro no bolso”.

Amizade é muito importante aqui no Brasil, mais do que dinheiro. Boas relações são indispensáveis para quem quer progredir e ter sucesso. Quem reconhece isso deve se interessar pela mensagem de hoje, que diz:

 

“Não existe melhor amigo do que Jesus. Ele consola na vida e na hora da morte”.

  • Jesus é amigo.
  • Ele consola na vida;
  • E na hora da morte;

 

Queridos irmãos, prezados visitantes, a primeira pergunta do nosso Catecismo é bem direta e confrontante. A pergunta é esta: Qual é o seu único consolo na vida e na morte? Vou repetir mais uma vez: Qual é o seu único consolo, tanto na vida, como também na morte? Essa pergunta é bem básica, e tem a ver com a vida de qualquer pessoa; crente ou descrente. Nesses dias em que todo mundo está isolado e parado, as pessoas têm tempo para refletir sobre a sua vida. Qual é seu único consolo na vida e na morte? Há muitas coisas que trazem consolo na vida: um bom emprego, muito dinheiro, um bom amigo. Mas qual dessas coisas traz também consolo na hora da morte?

Imagine uma pessoa na beira da morte, na UTI, dependendo da máquina respiratória, sofrendo, sozinha, isolada, para não infectar outras pessoas. Talvez ela seja um homem rico, mas o dinheiro não pode salvar a sua vida. Talvez tenha um bom emprego, mas isso também não ajuda na hora da morte. Isso não vale nada. O que vale é um bom amigo que sabe consolar ... Para ler mais, clique aqui.

L: Ec. 12, 1-8

T: Ec. 11,9-12,8 + 2 Co. 5,1-10

 

Queridos irmãos, irmãs, em Cristo,

 

[Nesta semana estive no velório de Izabel, a irmã da nossa irmã Raquel.

Naquela ocasião li o texto de Eclesiastes 7, 2.]

“Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete,

pois naquela se vê o fim de todos os homens e os vivos que o tomem em consideração”.

Na casa de luto, todos nós vamos descobrir que somos mortais, porém

não conhecemos a hora em que se desliga a luz da nossa vida.

Os velhos devem morrer, e os jovens podem morrer. E como será a vida depois disso?

Muitas pessoas acham que não há nada depois da morte.

Nascer, crescer, morrer e ponto final!

Mas a Bíblia não fala assim.

A Bíblia diz que a vida continua depois da morte.

O pó voltará a terra como o era e o espírito voltará a Deus.

Assim fala o autor de Eclesiastes. Ele diz que há luz no fim do túnel.

Mas essa luz é fraca. Essa luz é um pontinho.

O AT não fala com tanta clareza como o NT.

Paulo fala com muito mais clareza em 2 Co. 5.

Ele disse: Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou mal que tiver feito por meio do corpo.

Eclesiastes diz alguma coisa semelhante. Veja 11,9:

Alegre-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; anda pelos caminhos que satisfazem o teu coração e agradem aos teus olhos; sabe, porém, que de todas estas coisas Deus te pedirá contas!

Por causa disso é bom se lembrar do seu Criador!

Tanto nos dias bons, como também nos dias maus, antes da hora da morte.

 

LEMBRA-TE DO TEU CRIADOR!

  • Nos dias bons;
  • Nos dias maus;
  • Na hora da morte.

 

  1. Nos dias bons.

 

Os dias bons são os dias da mocidade. Veja 11, 9-10:

Alegra-te jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; ande pelos caminhos que satisfazem ao teu coração e agradam aos teus olhos; sabe, porém, que de todas estas coisas Deus te pedirá contas. Afasta, pois, do teu coração o desgosto e remove ... Para ler mais, clique aqui.

Domingo 1 CdH

 P. 1: Qual o seu único conforto na vida e na morte?

R. : O meu único conforto é que - corpo e alma, na vida e na morte - não pertenço a mim mesmo, mas ao meu fiel Salvador, Jesus Cristo, que, ao preço do seu próprio sangue, pagou totalmente por todos os meus pecados e me libertou completamente do domínio do pecado. Ele me protege tão bem que, contra a vontade de meu Pai do céu, não perderei nenhum fio de cabelo. Na verdade tudo coopera para o meu bem e o seu propósito é para a minha salvação. Portanto, pelo seu Espírito Santo ele também me garante a vida eterna e me torna disposto a viver para ele daqui em diante, de todo o coração.

 

Texto: Marcos 10, 17-22 & Salmo 49

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

 

Vocês são felizes? E por que sim? Ou por que não? O que falta na sua vida? Por que você não é feliz? O que deixa um homem feliz? Dinheiro? Dinheiro deixa uma pessoa feliz? Parece que sim! Quem tem dinheiro pode comprar o que quiser e pode fazer o que quiser. Isso deixa muitas pessoas felizes. Mas esta felicidade dura para sempre? Esta felicidade é profunda? Podemos realmente comprar TUDO o que o nosso coração deseja? TUDO? Também a vida eterna?

 

A bíblia nos dá um exemplo de um homem que foi muito rico. Ele era riquíssimo. Podia comprar tudo o que queria. TUDO? Não, ele não podia comprar tudo. Ele não podia comprar a vida eterna. E por causa disso ele veio para perto de Jesus com esta pergunta: -Mestre, o que devo FAZER para conseguir a vida eterna? E Jesus o explicou: - faça a vontade de Deus. Obedeça aos mandamentos de Deus. O homem, ouvindo isso, ficou muito feliz, pois ele cumpria todos os mandamentos.

 

Ele cumpria todos os mandamentos? TODOS? Sim, todos! Mas será que ele fez isso com amor? Jesus quer saber isso, e por isso ele disse: - Falta mais uma coisa para você fazer: Vá, venda tudo o que tem e dê o dinheiro aos pobres, e assim você será rico no céu. Depois venha e me siga. O homem, ouvindo isso, ficou muito triste. Ele descobriu a sua pobreza, quando ele ouviu as palavras do Senhor. Apesar da sua riqueza, ele ainda era pobre. Ele tinha muito dinheiro, mas pouco amor. Ele podia viver feliz, mas ele não podia morrer feliz. E quem não pode morrer em paz, nunca vai viver em paz. Então a pergunta é:

 

O que devemos saber para VIVER e MORRER EM PAZ?

1° lugar: devemos saber A NOSSA POBREZA;

2° lugar: devemos saber A RIQUEZA DE CRISTO;

3° lugar: devemos ter certeza que ESTA RIQUEZA É DADA A NÓS POR DEUS....Para ler mais, clique aqui.

Domingo 1 CdH

P. 1: Qual o seu único conforto na vida e na morte?

R.: O meu único conforto é que - corpo e alma, na vida e na morte - não pertenço a mim mesmo, mas ao meu fiel Salvador, Jesus Cristo, que, ao preço do seu próprio sangue, pagou totalmente por todos os meus pecados e me libertou completamente do domínio do pecado. Ele me protege tão bem que, contra a vontade de meu Pai do céu, não perderei nenhum fio de cabelo. Na verdade tudo coopera para o meu bem e o seu propósito é para a minha salvação. Portanto, pelo seu Espírito Santo ele também me garante a vida eterna e me torna disposto a viver para ele daqui em diante, de todo o coração.

 

Leitura: 1 Coríntios 15, 12-26

 

Irmãos,

Vocês são felizes? Quem não quer ser feliz? E o que devemos fazer para sermos felizes? Faz alguns anos que alguns estudantes na Holanda fizeram uma pesquisa para descobrir onde as pessoas eram mais felizes. Eles investigaram vários países. E concluíram que os habitantes do Canadá, da Austrália, Suíça e Holanda eram os mais felizes do mundo.

Felicidade, conforme essa pesquisa, é determinada por duas coisas: prosperidade e liberdade. Quanto mais modernidade e liberdade, maior é a felicidade, foi a conclusão desses estudantes. Então prosperidade e liberdade são ingredientes importantes para ser feliz. Por causa disso os Estados Unidos não são o número 1, pois lá não tem tanta liberdade. Lá muitas coisas são dirigidas e controladas de cima para baixo: pode ser pelo governo, ou pela empresa, pode ser pela igreja ou pela família.  Por causa disso os habitantes lá se sentem limitados na sua liberdade e por isso se sentem menos felizes.

Para serem mais felizes as pessoas devem se libertar do controle da família, da igreja, dos colegas. A consequência disso é que muitas pessoas ficam mais sozinhas. O outro lado da liberdade é o isolamento, estar sozinho, sem ajuda, sem amor, pois amor exige uma resposta e dá obrigações. Por isso, irmãos, não é uma surpresa que os países com o maior número de habitantes felizes, têm também o maior número de suicídios; pois liberdade é bom se não precisa de uma outra pessoa, mas a mesma liberdade te deixa infeliz, se realmente precisa de uma ajuda...Para ler mais, clique aqui.

Domingo 1ª (pergunta e resposta 1)

 

A) Introdução;

A primeira pergunta e resposta funcionam como um resumo da fé. Lembro-me que o pastor que nos ensinava o Catecismo disse: “se vocês aprenderem e entenderem esta primeira pergunta e a sua resposta, vocês conhecerão o núcleo do Evangelho”.  E ele tinha razão, porque neste primeiro domingo encontramos tudo o que precisamos saber para ser salvos.

 

B) Tema;

O início do Catecismo  funciona como uma introdução, que quer chamar a atenção do leitor e convidar a continuar a ler. O Catecismo começa com o ‘Cântico da Consolação’, tocando uma partitura fundamental do Novo Testamento. Ele começa a perguntar: o que é seu único conforto na vida e na morte? Uma pergunta interessa a qualquer pessoa. E a resposta é a seguinte: O meu único conforto é que não pertenço a mim mesmo, mas ao meu fiel Salvador, Jesus Cristo. “Pertencer a Jesus Cristo” é o tema desse domingo. A consolação do crente é o subtema, porque ela depende de Jesus Cristo. A consolação é uma benção do Espírito Santo que todos que pertencem a Jesus Cristo experimentarão.

 

C) A Luz das Sagradas Escrituras;

Saber que nós pertencemos a Jesus Cristo é um motivo de grande alegria e traz muito conforto. O profeta Isaías já falou sobre isso. Em Isaías 40 encontramos a palavra de Deus que Isaías devia pregar: “Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus. Falai ao coração de Jerusalém, bradai-lhe que já é findo o tempo da sua milícia, que sua iniquidade está perdoada e que já recebeu em dobro das mãos do Senhor por todos os seus pecados” (Is. 40, 1-2).

Esta profecia fala sobre o futuro, que se cumpriu em Jesus Cristo. Sabemos isso, porque logo depois dessas palavras Isaías disse: “Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai no ermo vereda a nosso Deus. Todo vale será aterrado, e nivelados, todos os montes e outeiros; o que é tortuoso será retificado, e os lugares escabrosos, aplanados. A glória do Senhor se manifestará, e toda a carne a verá, pois a boca do Senhor o disse” (Is. 40, 3-5). Esta parte da profecia se cumpriu quando João Batista apareceu (Mt. 3,3). Ele é a voz no deserto, que exortava o povo de Deus para preparar o caminho do Senhor (Luc. 3, 4-6). Ele mesmo foi enviado para preparar o caminho do Senhor, que estava vindo. O povo de Deus devia se examinar, reconhecer os seus pecados e se converter.

Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1,29), disse João Batista quando viu Jesus Cristo se aproximando. E assim ele apontou aos seus discípulos o Salvador que traria consolação ao povo de Deus....Para ler mais, clique aqui.

Texto: Rom. 8: 14-16 e 28
Leitura: Rom. 8: 1-17

 

Queridos irmãos,


Hoje é o dia de Pentecostes. Hoje nós nos lembramos que faz quase dois mil anos que Cristo derramou o Espírito de Deus sob a
igreja em Jerusalém. Sob os apóstolos e sob outros membros da igreja. Foi o início da colheita. Depois disso os apóstolos foram
enviados para Judeia, Samaria e até os confins da terra, para proclamar o evangelho da ressurreição de Jesus Cristo; eles foram
enviados para semear a palavra de Deus e para colher o resultado. Às vezes a cem, às vezes a sessenta e às vezes a trinta por um.

O dia de Pentecostes, irmãos, foi um dia especial na história deste mundo. Neste dia começou a conquista de Jesus Cristo para vencer
o mundo. Não com força, nem com violência, mas com o poder irresistível do Espírito Santo. Este primeiro dia de Pentecostes,
cinqüenta dias depois da ressurreição de Cristo, marcou o início da campanha espiritual de Jesus. Cada ano a igreja lembra-se do dia
de Pentecostes.

Mas, irmãos, isso não quer dizer que só neste dia o Espírito de Deus estava ativo. Nada disso! De fato podemos dizer que cada dia é um
dia de Pentecostes; pois o Espírito de Deus continuou o seu trabalho desde aquele primeiro dia de Pentecostes até agora Ele está
trabalhando neste mundo para conquistar espiritualmente os corações das pessoas que vivem nas trevas; para livrar todos que
vivem na escuridão, na tristeza; todos que não têm esperança; todos que pensam que não há vida depois da morte; todos que têm
medo para morrer; todos que procuram uma segurança, uma consolação, para esquecer a sua miséria, para esquecer o seu
futuro.

Há pessoas que procuram esquecer seus problemas ou aliviar a sua vida com ...Para ler mais, clique aqui