Leitura: Mt. 5, 43-48; Atos 3, 14-19

Texto: Lucas 23, 34

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

 

[Faz uma semana] que o caso do casal Nardoni, que matou a sua filha Isabella, estava no centro da atenção em todo Brasil. Talvez vocês assistiram o processo. Quem assistiu, deve se lembrar que houve um momento em que um pastor Pentecostal apareceu em frente ao Fórum gritando “Jesus perdoará o casal Nardoni”. 

Não sei exatamente como este pastor chegou a essa conclusão, mas posso imaginar que ele pensou no texto que vamos tratar hoje à noite. Na Sexta-Feira Santa, Jesus olhou para as pessoas que o condenaram a morte e penduraram na cruz e ele disse: Pai perdoa-lhes: pois não sabem o que estão fazendo. Pode ser que o pastor pensou naquelas palavras de Jesus quando ele gritou: “Jesus perdoará o casal Nardoni”. Jesus perdoou o povo que o assassinou, então com certeza perdoará também o casal Nardoni, que assassinou a sua filha.

Irmãos, nós não podemos usar essas palavras de Jesus assim. Essas palavras não significam um ‘perdão geral’ para todos os assassinos, nem ‘um perdão particular’ para esse casal. Porque, em primeiro lugar, nós não podemos dizer que eles não sabiam o que estavam fazendo! Eles sabiam muito bem, porque até tentaram esconder as provas do seu crime; e, em segundo lugar, nós não podemos usar essas palavras, porque são palavras particulares de Jesus; palavras especiais, faladas num momento especial na história da Salvação. Temos que observar a história da Salvação, para descobrir o verdadeiro sentido dessa oração.

Já disse: o momento é especial! Ou, até melhor: a crucificação de Jesus é um momento único na história desse mundo. A história desse mundo mudou definitivamente depois da Sexta-Feira Santa.

Muitas coisas aconteceram na semana santa. A semana começou com a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém (Lc. 19). Logo depois...Para ler mais, clique aqui.

Domingo 16 CdH

P. 43. Que importância têm, para nós, o sacrifício e a morte de Cristo na cruz?

R. Pelo poder de Cristo, nosso velho homem é crucificado, morto e sepultado com ele, para que os maus desejos da carne não mais nos dominem, mas que nos ofereçamos a ele como sacrifício de gratidão.

Texto: Domingo 16 CdH
Leitura: Rm. 6, 1-14

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Hoje de manha celebramos a santa ceia e comemoramos a morte de Cristo. A morte de Cristo é apenas um fato histórico para muitas pessoas. Alguma coisa que aconteceu num outro país, numa outra cultura, e numa época muito distante daqui. Muitas pessoas sabem que Jesus morreu, mas isso não está influenciando a vida delas. Porque o que aconteceu, aconteceu. Elas não falam mais sobre isso. O assunto morreu.

Assim as pessoas reagem, muitas vezes, depois de um enterro comum; depois disso as pessoas dizem: Acabou! Não podemos mudar o que aconteceu. Devemos continuar, pois a vida continua. E isso é verdade. A vida continua. Também para as pessoas que ficaram atrás. A vida continua, mas não da mesma maneira, pois a vida mudou. Quando o seu marido, ou a sua patroa, ou a sua mãe falece, a vida continua, mas de uma outra maneira do que antigamente. Pois a viúva fica sozinha, a empregada fica sem trabalho, e os filhos ficam sem mãe. Eles devem continuar, mas a vida mudou e muitas vezes esta mudança não é fácil.

Podemos fingir que nada aconteceu, mas assim essas pessoas fogem da realidade. Quem fala assim, dizendo: “Acabou. Devemos continuar. A vida continua”, ele ou ela não entende ou não quer saber das consequências da morte de uma pessoa. Isso vale também para nós, quando falamos sobre a morte de Cristo. Quem diz ... Para ler mais, clique aqui.

Domingo 16 CdH

P. 42. Se Cristo morreu por nós, por que devemos nós morrer também?
R. Nossa morte não é para pagar nossos pecados, mas somente significa que morremos para o pecado e que passamos para a vida eterna.

P. 43. Que importância têm, para nós, o sacrifício e a morte de Cristo na cruz?
R. Pelo poder de Cristo, nosso velho homem é crucificado, morto e sepultado com ele, para que os maus desejos da carne não mais nos dominem, mas que nos ofereçamos a ele como sacrifício de gratidão.

P. 44. Por que se acrescenta: “desceu ao inferno”?
R. Porque meu Senhor Jesus Cristo sofreu, principalmente na cruz, inexprimíveis angústias, dores e terrores. Por isso, até nas minhas mais duras tentações, tenho certeza de que ele me libertou da angústia do tormento e do inferno.

Texto: Vários textos
Leitura: Domingo 16 CdH

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus,

Hoje vamos falar sobre uma parte da nossa vida que não agrada a ninguém. Vamos falar sobre o final da nossa vida: sobre a nossa morte! E prestem atenção, irmãos, porque normalmente as pessoas não gostam de falar sobre este assunto. Elas gostam de falar sobre a morte dos outros, mas não gostam de falar, nem de pensar, sobre o final da sua vida. Quem já pensou em sua última vontade: O que deve acontecer com os seus bens depois da sua morte? Quem já pensou no dia do seu enterro? Como quer ser enterrado? Já fez uma liturgia? Por que não? Porque não gosta de pensar nisso? Isso não é estranho? A morte não faz parte da nossa vida? Nós gostamos de controlar toda a nossa vida. Fazemos tudo para controlar toda a nossa vida, mas nos recusamos de controlar o final da nossa vida.

Quero que vocês parem por um momento e pensem nisso: Como será no final de sua vida; em sua morte? E como será a sua vida depois da sua morte?

Vamos pensar nisso: Eu lhes prego o Evangelho da nossa morte. O Senhor Jesus transformou a maldição da nossa morte numa benção.

A nossa morte:

1) Não é para pagar os nossos pecados;
2) Mas é para passar para a vida eterna;

1. A nossa morte não é para pagar os nossos pecados.

Olhando para esta frase do nosso catecismo, fiquei um pouco confuso, irmãos. Fiquei confuso, porque sempre pensei que a nossa morte era um castigo de Deus por causa do pecado de Adão e Eva. A Bíblia fala isso em Gênesis 2 e 3.
Todo mundo conhece este trecho. É uma das primeiras coisas que um aluno aprende quando começa a estudar a Bíblia. Deus criou Adão e Eva e o Paraíso. Deus colocou Adão e Eva no Paraíso e ali eles podiam comer de todas as
árvores. Mas do fruto da árvore que estava no meio do jardim, disse Deus (Gn. 3,3): “Dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais”... Para ler mais, clique aqui.

 

 

Domingo 11 CdH

P. 29. O nome de “Jesus” significa “Salvador”. Por que o Filho de Deus tem esse nome?
R.: Porque ele nos salva de todos os nossos pecados e porque em ninguém mais devemos buscar ou podemos encontrar salvação.

 

Texto: 1 Pedro 1, 1-21
Leitura: Domingo 11 CdH

 

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Lemos o primeiro capítulo da primeira carta de Pedro aos irmãos, que viviam em Ásia menor. E neste primeiro capítulo Pedro lhes oferece um resumo da Bíblia. Ele faz isso nos versículos 10-12:

“Foi a respeito desta salvação que os profetas indagaram e inquiriram, os quais profetizaram acerca da graça a vós outros destinada.
Investigando, atentamente, qual a ocasião ou quais as circunstâncias oportunas, indicadas pelo Espírito de Cristo, que neles estava, ao dar de antemão testemunho sobre os sofrimentos referentes a Cristo e sobre as glórias que os seguiriam. A eles foi revelado que, não para si mesmos, mas para vós outros, ministravam as coisas que, agora, vos foram anunciadas por aqueles que, pelo Espírito Santo enviado do céu, vos pregaram o evangelho, coisas essas que anjos anelam perscrutar”.

A frase é longa e complicada, irmãos. Então vamos cortá-la e analisar: Pedro fala sobre as profecias do Antigo Testamento e sobre as pregações dos
Apóstolos do Novo Testamento. E ele mostra que ambos, tanto os profetas, como os apóstolos falaram sobre a mesma coisa: sobre O CRISTO. Sobre Cristo e sobre A NOSSA SALVAÇÃO. O Cristo Jesus veio para nos salvar! Este é o evangelho, que foi pregado desde o início. Esta é a mensagem principal da Bíblia.

Então chegamos a um ponto importante no nosso catecismo, quando ele começa a falar sobre Jesus Cristo. E logo, falando sobre o nome de Jesus, o
catecismo segue o ensino da Bíblia inteira que diz que Jesus Cristo é o nosso Salvador. E ele é um Salvador completo. Toda a sua vida foi dedicada a isso: à...Para ler mais, clique aqui.

Texto: Gálatas 3: 13

Leitura: Gálatas 2: 15 até 3: 13

Amados irmãos em Jesus Cristo,

Cristo nos mandou celebrar a Santa Ceia em sua memória. Nesta mesa nós lembramos que o Senhor deu a sua vida na cruz para salvar todos que creem nele. Gálatas 3:13 Fala sobre isso. Lá está escrito: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”. Este texto fala PROFETICAMENTE: Sobre Jesus Cristo e sobre nós.

 

Este texto nos ensina:

1) Que NÓS somos malditos;

2) Que Cristo nos resgatou da maldição;

3) COMO Cristo nos resgatou da maldição;

 

Devemos ler o contexto para entender isso melhor: (Gálatas 2:15-21; 3:10-13). Irmãos! É claro que, neste trecho, o apóstolo fala sobre a VERDADEIRA JUSTIFICAÇÃO. Como somos justos perante Deus? Pelas boas obras da lei ou pela fé? Pela própria força ou pela graça? Pelas MINHAS boas obras ou pela boa obra de JESUS CRISTO? Com certeza todo mundo aqui vai dizer: Pela boa obra de Jesus Cristo! Isso é claro! E isso é verdade! Mas durante muito tempo isso não foi tão claro. Muitas religiões enfatizam que o homem deve se salvar pelas suas boas obras; o homem mesmo PODE e DEVE lutar por isso. Os Judeus pensam assim, e os muçulmanos, e os budistas. Todas estas religiões enfatizam a justificação do homem por suas boas obras.

E houve também na igreja cristã pessoas que pensavam assim: o crente deve fazer boas obras. Ele deve seguir o exemplo de Cristo. Cristo se salvou pelas boas obras. Nós devemos imitar a Cristo. Esta ideia é muito forte na Igreja de Roma; há pessoas que imitam a Cristo, até se deixam crucificar, pensando que isso vai ajudá-los perante Deus. Mas é assim, irmãos? O jejum na Quaresma, e todas as regras na Sexta-feira Santa vão contar para minha justificação? Não varrer a casa, não pentear os cabelos, não olhar no espelho, não comer carne; devemos seguir todas estas regras para nos justificar perante Deus? Há pessoas que pensam nisso!...Para ler mais, clique aqui

T: Lucas 23, 43

L: Domingo 22 CdH

             

Amada congregação do nosso Senhor Jesus Cristo!

Onde está o Paraíso?

Durante muitos séculos as pessoas se perguntavam isso.

Onde ficou o paraíso? Muitas pessoas se perguntavam e o procuraram em algum lugar aqui na terra. A Bíblia diz que ele se localizava entre quatro rios grandes: o Giom, o Pisom, o Tigre e o Eufrates. Era um lugar bonito, com uma bela natureza, onde todos viviam em paz e harmonia. Adão e Eva vivam ali, mas, depois da sua rebelião contra Deus, eles foram expulsos, e depois do dilúvio ninguém se lembrava mais onde o Paraíso estava.

Na Idade Média as pessoas começaram a explorar o mundo inteiro, e alguns estavam esperando achar o paraíso em algum lugar desse planeta. Marco Polo o procurou. Ele foi o primeiro europeu que descobriu a China; e ele falou com o Imperador e perguntou se ele saberia onde o Paraíso estava. O imperador lhe disse que se encontrava ao sul do país. Então Marco Polo foi para o sul, mas não encontrou o Paraíso.

Outro explorador, Cristóvão Colombo, estava convencido de que ele tinha encontrado o Paraíso quando ele descobriu a América do Sul; observando a bela natureza e os índios, que viviam em paz e harmonia com esta natureza. Mas depois dele chegaram os exércitos espanhóis, que destruíram este sonho.

Onde está o paraíso? Muitas pessoas estão buscando seu Paraíso. Roberto Carlos pensava nele quando ele cantou:

 

“Além do horizonte deve ter

Algum lugar bonito pra viver em paz

Onde eu possa encontrar a natureza,

Alegria e felicidade, com certeza...

Lá nesse lugar o amanhecer é lindo

Com flores festejando mais um dia que vem vindo

Onde a gente pode se deitar no campo,

Se amar na relva, escutando o canto dos pássaros...”

...Para ler mais, clique aqui

Texto: Romanos 10: 8-10
Leitura: Romanos 10

Queridos irmãos em Jesus Cristo,

Hoje é um dia especial. O dia em que comemoramos a Páscoa. Hoje celebramos que o nosso Senhor Jesus Cristo foi ressuscitado da morte. Na sexta-feira santa comemoramos que Jesus morreu na cruz, e que ele foi sepultado, mas hoje celebramos que Jesus foi ressuscitado e saiu do sepulcro, como já cantamos no início do nosso culto: Da sepultura saiu! Com triunfo e glória ressurgiu! Ressurgiu, vencendo a morte e o seu poder. Cristo venceu a morte, se levantou e se manifestou vivo aos seus discípulos.

A ressurreição de si mesmo foi o maior milagre de Cristo na sua vida aqui na terra. Ele fez muitos milagres, até ressurgiu outras pessoas da morte, e agora ele mesmo passou pelo vale da morte, e voltou vivo. Ele voltou para nos mostrar a vida. A vida do outro lado, nova, em glória, em vitória. Por causa disso o dia de Páscoa tem um sentido simbólico. Neste dia celebramos A VIDA NOVA que Cristo nos deu.

Por causa disso a igreja apontou este dia para os novatos fazer profissão de fé e para assumir a sua vida nova em Cristo. Neste dia de Páscoa os novatos foram batizados e isso queria dizer que eles estavam mortos em pecados, mas agora eles foram ressuscitados com Cristo. A vida nova com Cristo começou no dia de Páscoa. Então, irmãos, por causa disso decidir que a profissão de fé de nosso irmão (..........) será feita neste dia. (Pode colocar mais informações pessoais). E por causa disso ele vai fazer a sua profissão de fé hoje.

Quero falar um pouco mais sobre isso e por causa disso escolhi o seguinte texto, que encontramos em Romanos 10: 9...Para ler mais, clique aqui

 

T: João 18, 33 – 19, 16

L: Domingo 15 CdH

             

Amada congregação do Senhor Jesus Cristo,

 

Cada país e cada região tem seus próprios costumes e tradições para relembrar a morte de Cristo. Por exemplo, existe em Pernambuco o costume de relembrar a morte de Cristo através de um grande espetáculo de teatro (Paixão de Cristo). É uma das maiores peças de teatro do mundo, onde atores famosos procuram imitar as emoções dos sofrimentos de Cristo.

Nas Filipinas, o povo vai mais longe. Eles erigem várias cruzes, e voluntários se oferecem para serem crucificados. As mãos deles são furadas com pregos, e durante umas horas as pessoas ficam penduradas nas cruzes. Assim são feitos vários espetáculos para relembrar a morte de Cristo. As multidões ficam emocionadas.

E a loucura não tem limites. Surgem até pessoas que dizem ser o Cristo. Talvez os irmãos já tenham ouvido de uma pessoa que apareceu num programa sensacionalista de televisão, mostrando as cicatrizes de suas mãos, que tinham sido furadas. Aquela pessoa afirmava ser o Cristo. Assim aconteceu o que o próprio Senhor Jesus já tinha predito: “Aparecerão falsos cristos” (Mt. 24, 23-24).

Mas, irmãos, falando da morte de Cristo, o que seria o mais importante? Será que o mais importante é ter conhecimento dos acontecimentos? Ou será que devemos valorizar, antes de mais nada, as emoções comoventes?

Neste momento é bom vermos o que a antiga igreja cristã confessou a respeito da morte de Cristo no Credo Apostólico. Os irmãos dos primeiros séculos confessaram o seguinte: “Cristo padeceu sob Pôncio Pilatos. Ele foi crucificado.”. Só isto! A antiga igreja se contentou em apenas mencionar que o Senhor Jesus morreu sob o governador Pôncio Pilatos, e que o meio de sua morte foi a crucificação. Esta confissão...Para ler mais, clique aqui.

Texto: Luc. 9, 18-22

Leitura: 1 Cor. 1,18 – 2,5

 

Queridos irmãos e irmãs em Cristo,

Quem pode me dizer qual é o símbolo da igreja Cristã? Pois é, A CRUZ!

O sofrimento e a morte de Jesus Cristo na cruz foram os momentos mais importantes na vida da igreja. Pela CRUZ Cristo conseguiu a remissão dos nossos pecados; Pela CRUZ Cristo estabeleceu a nossa salvação.  É como o apostolo Paulo escreveu em 1 Cor. 2,2: “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este CRUCIFICADO.”

E ele disse também (1 Cor. 1,18): “Pois a palavra da cruz é loucura para os que perecem, mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. E por causa disso (vs. 23) Paulo pregou o Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os gregos.

Neste trecho Paulo está dizendo que o coração da nossa fé é a doutrina da cruz; quem quer conhecer a Cristo deve entender o significado da morte dele; deve conhecer a importância da cruz. Muitas pessoas não entendem. Há pessoas que estão andando com um crucifixo no pescoço sem saber o que isso quer dizer. Por que Cristo morreu na cruz? Por que ele mesmo se entregou para morrer assim? Por que ele foi para Jerusalém, SABENDO o que ia acontecer ali? Ele poderia ter dito: não quero isso! Ele poderia desistir, mas ele não fez isso. Por que não?

Talvez você saiba a resposta, talvez não... Muitas pessoas que visitam regularmente a igreja sabem explicar mais ou menos o motivo de Cristo. Por que Ele fez isso. Mas saber, às vezes, não quer dizer entender; Há pessoas que sabem que Jesus Cristo sofreu e morreu, mas elas não querem seguir a Cristo neste caminho. Elas não entendem as palavras de Cristo, que disse que cada...Para ler mais, clique aqui.